UM OUTONO TERAPÊUTICO (parte IV)

Esta quarta-feira (dia 23) os monstruosos Da Monstra terminam a sua Tour Niquete no Bartô em Lisboa, numa noite de hardcore “à antiga” com o power-trio françês Chicken’s Call, que toca também no dia seguinte (qui. 24) na Casa Viva no Porto!

E no sábado (dia 26) começa a residência mensal da ATR no RDA69, que passará a acontecer no último sábado de cada mês!

Para esta primeira sessão a ATR apresenta uma Trindade Suburbana com concertos de Asimov Folkways, Siago Tilva e Peter Wood, três dos membros da mítica banda Braiwashed By Amália, que juntamente com os não menos míticos Lemur, se preparam para voltar à acção para um concerto único que irá decorrer no dia 16 de Novembro (sábado) no Chapitô e que contará também com a ilustre presença dos Katabatic, numa espécie de recriação do Sonic Fest, evento realizado há 10 anos atrás! Mais notícias em breve!

Além desta magnífica trindade, haverá ainda um dj set dos indescritíveis Kafunfo noSoundsystem, com a participação espacial de A. Gramophonic, tudo devidamente acompanhado por um belo jantar vegetariano! Imperdível, portanto!

Da Monstra imagem

23 Out. (qua) 22h30 – Chicken’s Call (fr) + Da Monstra (pt) @ Bartô – Lisboa

(entrada: 3 euros)

CHICKEN’S CALL

Membros da prolífica cena punk/hardcore de Grenoble (França), que já nos trouxe bandas como os Les Profs de Skids e os Daily OD, os Chicken’s Call são um power-trio de punk-rock/anarco-punk que não tem medo das melodias nem das letras políticas. Juntos desde 1998, editaram vários discos e deram dezenas de concertos por todo o mundo (incluindo na América do Sul e na Oceania!), seguindo sempre os preceitos da cena DIY. Vêm pela primeira vez a Portugal para apresentar o seu novo álbum, editado numa parceria entre a Stonehenge Records e outras editoras.

DA MONSTRA

Os Da Monstra são um expressionismo pouco vanguardista, tudo já foi inventado, tudo já foi feito, mas os ingredientes podem sempre ser colocados de forma diferente, gerando novas interpretações (de quem compõe e de quem ouve). O som e a imagem fundem-se, extravasam o seu próprio sentido, criam novas sinapses,  o tempo pouco faz sentido, o ruído toma tudo. Terminam no Bartô a Tour Niquete, uma mini-digressão onde estes anti-vanguardistas, defensores do motim visual e sonoro embarcaram num espalhar de insurreições pelo norte de Portugal e Espanha.

TRINDADE SUBURBANA @ RDA69 (jantar & concerto)

Asimov Folkways + Siago Tilva + Peter Wood + Kafunfo noSoundsystem (com a participação espacial de A. Gramophonic)

26 Out. (sáb) a partir das 20h – (entrada livre! jantar vegetariano: 3 euros)

ASIMOV FOLKWAYS

“Agora que ASIMOV editou o seu segundo disco ‘OVERSEAS’, Carlos Ferreira volta a promover o ‘VOL. II’ de ASIMOV FOLKWAYS, a vertente acústica mas igualmente psicadélica dos ASIMOV. Seguindo a linhagem fingerpicking, ASIMOV FOLKWAYS junta também a tradição acid folk como se se tratasse de uma festa pagã no Mississippi. Se o Son House fosse um druida e se houvesse um delta em Stonehenge, seria algo parecido com ASIMOV FOLKWAYS.”

SIAGO TILVA

“Quando SIAGO TILVA pega numa guitarra eléctrica o resultado é equivalente a uma tempestade de areia sónica que se intensifica à medida que o vendaval ganha força. Acompanhado por uma singela Fender, SIAGO TILVA propõe não músicas mas sim viagens de longo percurso, todas elas flamejantes como o sol a entrar pelas pálpebras de alguém que dorme com a cabeça encostada à janela do comboio. Tudo desemboca num túnel de som munido de uma bamboleante velocidade constante ao sabor dos carris. Sendo SIAGO TILVA uma figura bastante reservada, perder esta rara aparição ao vivo é igual a perder uma chuva de estrelas porque se teve preguiça de ficar acordado. Não sejam perdulários e não percam um dos poucos momentos em que SIAGO TILVA sai da sua gruta para nos deslumbrar.”

PETER WOOD

“PETER WOOD criou-se nas margens de uma ribeira onde o campo deu lugar a um desenfreado subúrbio. Após passeios com guitarras psicadélicas, PETER WOOD hibernou, qual mamute num glaciar, vendo os comboios passar na linha de Sintra. Um dia partiu um pé e, vendo-se mais pachorrento, desligou a guitarra eléctrica. Momentoso acaso! Fez-se-lhe presente o lado rural da Ribeira das Jardas que, até há bem pouco tempo, fazia as delícias do viajante curioso. PETER WOOD recordou-se de coisas que não tinha vivido. Assaltaram-no memórias de tempos em que a gente vendia a alma ao Diabo nos Quatro Caminhos na esperança de fazer parte da Sociedade Secreta do Giramundo. Nesse dia, PETER WOOD pegou na sua guitarra acústica e, como que num encantamento, melodias começaram a sair dos seus dedos. Prestes a lançar um single de sete polegadas pela Black Cat Records 1965, são essas melodias que PETER WOOD nos apresenta. Algumas suas, outras não, mas tudo pitorescas relíquias desenterradas nas margens da Ribeira das Jardas.”

KAFUNFO noSOUNDSYSTEM

“Os KAFUNFO noSOUNDSYSTEM são mais uma faceta da multifacetada Associação Terapêutica do Ruído. Munidos de gira-discos, alguma falta de bom senso e mau gosto q.b., os KAFUNFO noSOUNDSYSTEM atiram-se às agulhas em busca das velhas pérolas e diamantes perdidos da história da música gravada, tentando pelo caminho aterrorizar e surpreender os ouvintes mais incautos com misturas tão bizarras como o Chico Buarque a abanar o capacete com os Anthrax, os ABBA a serem molestados pelos Pixies, o Zeca Afonso a tripar com os Led Zeppelin, o Bob Dylan a improvisar com o Carlos Paredes, o James Brown à tareia com o Miles Davis, etc…. Resumindo: música de dança para quem não gosta de dançar, incluindo os tímidos, os coxos e os zombies!”
Por último a ATR gostaria de relembrar uma última vez que está a decorrer uma campanha até ao fim deste mês, cujo propósito é angariar fundos para a realização de uma apresentação multimédia e de um documentário sobre os últimos 7 anos da digressão perpétua do pianista e compositor norte-americano Thollem Mcdonas e da sua mulher Angela C Villa e que pretende ser também uma espécie de retrato sobre a importância do trabalho das diversas comunidades artísticas e musicais que o casal foi conhecendo e com as quais foi colaborando durante as suas infinitas viagens pela América do Norte e pela Europa (incluindo a ATR e os os infames dSCi que já tiveram o prazer de acolher e tocar com este extraordinário músico em várias ocasiões)! Mais informações sobre este projecto e como contribuir aqui