Associação Terapêutica do Ruído, Brigada Surreal e Bartô apresentam:

Re-Sonic Fest cartaz

RE-SONIC FEST

16 Novembro (sáb.) – 21h30 – Chapitô – Lisboa

BRAINWASHED BY AMALIA + LEMUR + KATABATIC

+ KAFUNFO noSOUNDSYSTEM dj set

entrada: 5 euros – reservas: terapiadoruido@gmail.com

(bilhetes à venda no Chapitô no próprio dia e antecipadamente no Bartô, todos os dias a partir das 22h, excepto segundas-feiras)

O Re-Sonic Fest é a celebração dos 10 anos do Sonic Fest, um mini-festival que decorreu nos dias 4 e 5 de Julho de 2003 numa colectividade chamada Grupo Dramático e Escolar “Os Combatentes” e que foi o primeiro evento da Brigada Surreal, uma entidade informal constituída por membros dos Brainwashed by Amalia e dos Lemur, que se dedicaram durante alguns meses a organizar concertos DIY nesta mítica sala lisboeta.

Além destas duas bandas o Sonic Fest contou também com as presenças dos Bypass, Marbles e Katabatic.

 

Para este Re-Sonic Fest que terá lugar na tenda do Chapitô, foram convocados apenas três das bandas por questões logísticas, mas também afectivas: os Katabatic, que se estrearam ao vivo no Sonic Fest, celebram o seu décimo aniversário; os Lemur, hibernados desde 2006 e que também deram o seu primeiro concerto nessa mesma ocasião, voltam ao activo e aproveitam para reeditar a sua discografia completa em formato digital e gratuito; e os Brainwashed by Amalia, entretanto extintos, juntam-se à festa e reúnem-se propositadamente para este evento único, que promete ficar nos anais da cena musical portuguesa!

 

E para terminar a noite haverá ainda after party no Bartô com um dj set dos indescritíveis Kafunfo noSoundsystem, o colectivo de djs da Associação Terapêutica do Ruído!

 

www.vimeo.com/77992318

 

www.resonicfest.tumblr.com

BRAINWASHED BY AMALIA

 

Os Brainwashed By Amalia formaram-se em 2000 entre as brumas suburbanas do Cacém numa época em que gostar de rock setenteiro era tabu em Portugal. Misturando elementos high energy com psicadelia, os Brainwashed By Amalia distinguiam-se das bandas da altura na medida em que assumiam sem pudores referências de classic rock considerado pela maior parte do público português como datado e sem interesse estético.

 

Os seus concertos eram vistos como um assalto sónico provocando reacções comparáveis a um compêndio de doenças mentais. Isto porque em 2000, os Brainwashed By Amalia já traziam à luz do dia armas esquecidas da alteração da mente. Estes putos do Cacém não tinham praia nem campo… mas tinham os Hawkwind, os MC5 e os Sonic Youth.

 

Por entre o betão da freguesia nada popular mas mais populosa da Europa, os Brainwashed By Amalia combinavam elementos aparentemente incompatíveis criando assim uma sonoridade singular.

 

Durante cinco anos, a banda tocou várias vezes ao vivo, destacando-se o Avante de 2002, o Festival do Tejo de 2003 e o Sonic Fest. É a propósito da celebração dos dez anos do Sonic Fest que os Brainwashed By Amalia regressam aos palcos para um evento único.

 

www.myspace.com/brainwashedbyamlia

 

www.youtube.com/watch?v=zxmSVSIjL0U&hd=1

LEMUR

 

Os lémures são primatas estrepsirrinos endémicos da Ilha de Madagáscar.

Indícios fósseis indicam que atravessaram o mar após Madagáscar se ter separado de África. Enquanto os seus antepassados competiam com macacos e outros primatas, os lémures estavam a salvo, sem qualquer tipo de competição e por isso diferenciaram-se.

A palavra lémure deriva do latim e significa “espírito da noite” ou “fantasma” e deve-se provavelmente ao facto de estas criaturas serem noctívagas.

 

Os Lemur de Lisboa eram uma banda de “rock furiosamente instrumental” que esteve activa entre 2003 e 2006 e que desde aí tem estado em hibernação.

Nesse breve período de tempo deram uma quinzena de concertos, partilhando o palco com bandas como: Brainwashed by Amalia, Katabatic, Bypass, Ölga, The Allstar Project, Frango e Puget Sound; editaram uma maqueta em edição de autor e um EP homónimo pela netlabel Merzbau e colaboraram em algumas compilações como a “Animal Repetitivo” do Out.Fest de 2005, festival em que participaram nas duas primeiras edições e a “Can Take You Anywhere You Want” da Bor Land, editora para a qual chegaram a gravar algumas faixas que permaneceram inéditas até hoje.

 

Despertam agora da sua longa catáfora não só para reeditarem em formato digital e gratuito a sua discografia completa, incluindo alguns inéditos, numa parceria entre a netlabel Enough Records e a Associação Terapêutica do Ruído, mas também para celebrarem os 10 anos do Sonic Fest, festival que organizaram em conjunto com os Brainwashed by Amalia e onde se estrearam ao vivo em Julho de 2003.

 

www.myspace.com/lemurlisbon

 

www.vimeo.com/77992318

KATABATIC

 

Katabatic é um projecto musical lisboeta, com sonoridade marcadamente instrumental, numa vertente mais psicadélica, progressiva e contemporânea.

A formação é a clássica do rock, com guitarra, baixo e bateria, onde a vocalização

é pontual, apoiada com criativos elementos de percussão e electrónica.

 

Durante os 10 anos de existência, editaram de forma independente e algo DIY o primeiro

EP “Vago” (edição de autor, 2006), o que lhes proporcionou oportunidades de concertos um pouco por todo o país, com várias bandas, nacionais e internacionais, como Russian

Circles, Caspian, A Storm of Light, Logh, Orthodox, Riding Pânico, The Allstar Project.

 

“Heavy Water” de 2012, é o primeiro álbum da banda. A edição é conjunta da Raging Planet (Lisboa) com a Raising Legends (Porto). “Heavy Water” tem produção de Makoto Yagyu e Fábio Jevelim, masterização de Chris Common e a participação de Tiago Sousa no tema que lhe dá o nome.

 

www.facebook.com/katabaticband

 

www.youtube.com/watch?v=qGNGhnmXEtQ