DEZEMBRO RUIDOSO (parte I)

This slideshow requires JavaScript.

Esta sexta-feira (5 Dez.) a ATR junta-se mais uma vez à ZigurArtists para apresentar os norte-americanos PC Worship, os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS e os portugueses Veabis & Tubbhead num concerto imperdível no Fontória! (mais info em baixo)

E no dia anterior (qui. 4 Dez.) há a inauguração de uma exposição do artista Fernando Fadigas na Zaratan – Arte Contemporânea, uma nova galeria de arte com a qual a ATR desenvolverá uma programação musical regular de concertos experimentais, intervenções sonoras e outros ruídos que começou com o Ciclo Pré-Go e que continuará em breve com o Ciclo Pós-Go! (mais info em baixo e em breve)

Por último a ATR gostaria de chamar mais uma vez a atenção para a campanha de angariação de fundos (aka “crowdfunding”) que está a decorrer para apoiar a SuccoAcido, uma revista/site/comunidade artística independente, internacional e multilíngue, sediada no sul de Itália, que já existe há 14 anos. Mais info sobre esta campanha aqui e ali!

sex. 5 Dez. 23h45 – PC Worship + dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS + Veabis & Tubbhead @ Fontória – LISBOA

(Praça da Alegria, 66 / entrada: 5 euros c/ oferta de 1 cerveja)

PC Worship é uma banda, um projecto a solo e um colectivo de músicos que vagueia pelos arredores do punk à procura de novos métodos de composição musical e de improvisação livre. Estéticamente descomprometido e exploratório, este colectivo nova-iorquino tem como base a liberdade de expressão artística e a auto-realização criativa. “PC” é um catalisador para esta ambiguidade e como sigla evoca uma imagética futurista, niilista, política, referencial e até religiosa. Da mesma maneira a sua criatividade é perpetuada pelas infinitas possibilidades da sua música, que tanto vai do minimalismo de um acorde repetitivo ao descontrolo de um free grunge caótico ou das estruturas básicas das canções pop a temas feitos inteiramente a partir de manipulações de fitas magnéticas e de secções de sopros orquestradas. No Fontória apresentar-se-ão em formato trio e prometem não deixar ninguém indiferente.

www.pcworship.blogspot.pt

www.youtube.com/watch?v=fPmq055Pouk

É dificíl perceber como é que um grupo que surgiu de maneira acidental e improvisada, baptizado primeiro com um símbolo e depois com um nome impronunciável e cuja  sonoridade continua a ser tão bizarra, tenha sobrevivido até aqui. Depois de 7 anos de actividade intensa e frenética em que deram cerca de 300 concertos nos mais diversos sítios e situações e em que foram escrevendo um percurso único para além das margens do panorama musical português, os dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS estreiam-se no Fontória com um convidado especial.

www.youtube.com/watch?v=FB_dxxFZH4Q

Do sofá foram para o chão e essa é a única certeza em relação a Veabis & Tubbhead. Recentemente transformados em trio, não arriscam adivinhar para onde vão a seguir. Talvez porque não saibam, talvez porque preferem andar ao sabor do imprevisto, ou porque não interessa para nada. No Fontória vão lançar para o éter retalhos e farpas de som que vão ser deixadas a flutuar até encontrarem onde pousar numa próxima vez.

qui. 4 Dez. 19h – “FERNANDO FADIGAS – O MURMÚRIO E A ESCUTA DA IMPREVISÍVEL RESSONÂNCIA DA MATÉRIA NA DERIVA DO UNIVERSO E NADA!” (inauguração e concerto) @ Zaratan – Arte Contemporânea – LISBOA

(Rua de São Bento, 432)

A Zaratan – Arte Contemporânea convida para a inauguração de “O murmúrio e a escuta da imprevisível ressonância da matéria na deriva do universo e nada!”, uma exposição individual de Fernando Fadigas.

Em concomitância com a exposição, o artista apresenta “To play in the dark”, uma série de concertos que atravessam diferentes abordagens exploratórias do som. Como o nome indica todos eles remetem para a escuridão como forma de dar primazia à escuta, muito embora “MOONRISE” seja a única peça dependente da imagem, neste caso da fotografia que é transformada em som. Para além disso faz todo o sentido reunir nesta exposição, alguns dos mais interessantes projectos que Fernando Fadigas partilha com outros autores e amigos. Whit é um quarteto de improvisação que opera o gira-discos e o vinil como instrumentos. No projecto Producers utiliza-se a electrónica nas mais variadas expressões através dos mais variados artefactos, como circuitos analógicos, fitas, sintetizadores ou samples. Na mesma sala acontecerão as projecções do vídeo “UNDERCURRENT” e da peça sonora “IN.LAND”.

Com este evento, a Zaratan continua o seu ciclo trimestral (Dezembro – Fevereiro) de exposições individuais, que alicerça um conjunto de 12 artistas portugueses e emergentes sediados em Lisboa, com o propósito de operar uma mostra significativa do seu trabalho. Desde a escultura ao desenho, da vídeo-instalação à performance, o que aqui realmente interessa é explorar a arte experimental e abraçar desde logo uma atitude interdisciplinar e multimédia, que reflicta a variedade e a quantidade de materiais e linguagens disponíveis para o artista hoje em dia.

A Zaratan – Arte Contemporânea é um espaço sem fins lucrativos gerido por artistas, que pretende promover uma mais profunda compreensão das práticas artísticas contemporâneas.