FEVEREIRO RUIDOSO (parte II)

Esta semana o one-man-band francês Sheik Anorak estreia-se em Portugal com dois concertos: terça-feira (10 Fev.) no Canhoto (Porto) por ocasião do Um ao Molhe, um novo festival itinerante de one-man-bands que a ATR também está a apoiar e quarta-feira (11 Fev.) na Casa Senhora do Monte (Lisboa) juntamente com o nosso indomável Catapulta! (mais info em baixo)

E no fim de semana a dupla franco-canadiana de “pós-world music” Vialka regressa a Portugal para dois concertos: sábado (14 Fev.) na Festa dos Mascarados Enamorados do Bartô (Lisboa) com a primeira parte a cargo da dupla audiovisual concon e dj set (e não só) d’O Misterioso MC Lover (aka Tiago Gomes); e domingo (15 Fev.) na Sonoscopia (Porto)! (mais info em baixo)

Na próxima semana o duo franco-italiano de “electronic-industrial-avant-rock-techno-dubstep-sauvagerie” Putan Club, que já passou por festivais como o Milhões de Festa ou o Amplifest, volta a Portugal para várias datas, incluindo uma no Lounge (Lisboa) no dia 19 Fev., onde deram um concerto inesquecível em 2013! (mais info em breve)

E no dia 21 Fev. continuam as Sessões na Carvoaria com actuações do guitarrista Siago Tilva e do projecto Full Dark, No Stars do músico experimental Rui Miguel, numa parceria entre a ATR, a Zaratan e a 1359! (mais info em breve)

Para terminar o mês haverá ainda a residência mensal da ATR no RDA69, que nesta ocasião será na última sexta-feira (27 Fev.) e não no último sábado do mês! E que será uma noite especial de homenagem ao terapeuta do ruído João Capela, falecido há um ano atrás, onde haverá intervenções de diversos amigos e onde será feito o lançamento do segundo volume da compilação Kaüzpellaplatz! (mais info em breve)

E entretanto já está disponível para escuta a mixtape que a ATR preparou com a stress.fm com temas de alguns dos artistas que passaram ou vão passar por este ruidoso Fevereiro!

This slideshow requires JavaScript.

ter. 10 Fev. a partir das 18h – Sheik Anorak (fr) + Tren Go! Sound System (pt) + Ras (se) + Fusco (de/pt) + Antes Cowboy que Toureiro (dj set) @ Um ao MolheCanhoto – PORTO

(Travessa de Cedofeita, 60-62 / entrada: 2€ tarde + 2€ noite)

qua. 11 Fev. a partir das 19h – Sheik Anorak (fr) + Catapulta (pt) @ Casa Senhora do Monte – LISBOA

(Rua Senhora do Monte, 43 / entrada: contribuições livres)

Sheik Anorak

Sheik Anorak é o projecto a solo que o músico francês Frank Garcia tem desde há 8 anos e com o qual já fez mais de 400 concertos em toda a Europa. Isto sem contar com todas as outras bandas em que está envolvido (SoCRaTeS, Neige Morte, -1, LOUP, Kanine, Totale Eclipse, Grand Royale ou IMMORTEL) e com a sua editora independente Gaffer Records, que criou em 2004 .

Como Sheik Anorak, Frank tem vindo a incorporar todas as ideias que não consegue expressar nos seus outros projectos e se no início a sonoridade era baseada principalmente num noise feito de guitarras ásperas e baterias espancadas, ao longo dos anos foi acrescentando doses de no wave, free jazz e rock experimental, recorrendo a colaborações com músicos como o baterista nova-iorquino Weasel Walter ou o saxofonista berlinense Mario Rechtern.

Vem pela primeira vez a Portugal para apresentar o seu mais recente álbum “Keep your hands low”, editado no início do ano passado, onde para além de tocar guitarra, baixo e bateria, começou também a utilizar a voz, aproximando-se do indie rock e do formato canção, sem nunca perder o lado mais noise e experimental dos primeiros tempos.

sheikanorak.bandcamp.com

www.vimeo.com/38674063
www.youtube.com/watch?v=rqvBUheTUDM

Catapulta

Catapulta é construída num terreno baldio na Alemanha em 2012 e é um mecanismo de cerco que utiliza uma espécie de braço para lançar objectos a uma grande distância, evitando assim possíveis obstáculos como muralhas e fossos.

Pode haver concertos intimistas ou concertos de alguma dureza sonora, improvisados ou planeados… Músicas simples que primam pela repetição e pela camada sonora de vários pequenos instrumentos! Nestas viagens, Catapulta apresenta-se com alguns pedais de efeitos, um bouzouki e outros instrumentos não convencionais.
O nome Catapulta é derivado do grego καταπάλτης, composto de κατά “abaixo, contra” e πάλλω “vibrare”.


www.youtube.com/watch?v=Ls3ETUBhqh4
www.youtube.com/watch?v=f0rQdcZOiIY
www.youtube.com/watch?v=oIdkv9YQIM4

sáb. 14 Fev. 23h – Vialka (fr/ca) + concon (pt) + O Misterioso MC Lover (dj set) @ Festa dos Mascarados EnamoradosBartô – LISBOA

(Costa do Castelo, 7 / abertura de portas: 22h / entrada livre!)

dom. 15 Fev. 18h – Vialka (fr/ca) @ Sonoscopia – PORTO

(Rua da Prelada, 33 / entrada: 6 euros c/ jantar incluído)

Vialka

Os Vialka vêm das profundezas da França, através de todo o lado e de lado nenhum. São um duo nómada que se tem apresentado numa digressão permanente por todo o mundo desde a sua formação em 2002. Com influências que vão desde o tradicional ao moderno underground, Marylise Frencheville (voz e percussão) e Eric Boros (voz e guitarra barítono) criam uma música que trespassa todas as fronteiras. Recentemente colaboraram com o ícone folk Chinês Xiao He, formaram a KIV Orchestra com membros da banda avant-klezmer Kruzenshtern i Parohod, construíram um sistema de som alimentado a energia solar para concertos na India e embarcaram numa digressão acústica pensada para locais mais pequenos e intimos, continuando a quebrar todas as regras e a extender os limites onde quer que estejam presentes. O seu projecto mais recente é uma ópera experimental: “À l´Abri des Regards Indiscrets”.

www.freemusicarchive.org/music/Vialka

www.vimeo.com/57949027

concon – performance audiovisual (improviso) de projecção de imagem e som

concon é um projeto de fusão: a projecção serve de fonte para o improviso musical e, o som, torna-se visível na projecção, manipulando-a. Todo o processo é analógico (sem recurso a elementos digitais): a música é criada a partir de um sintetizador que recorre às sonoridades e frequências dos inícios da electrónica; a transdução do som na água recorre a tecnologia “lo-fi”; a projecção é feita a partir de um retroprojector, numa técnica similar à utilizada nos anos 60 em projetos musicais psicadélicos.

concon é o nome para peixe voador em São Tomé e Príncipe, onde o projeto começou a nascer, numa residência artística da Associação Cultural Pantalassa.

www.facebook.com/concon.isto

www.youtube.com/watch?v=7ysoie5MzJY