Para começar este ruidoso mês temos o regresso do músico brasileiro M. Takara(aka Maurício Takara dos Hurtmold, São Paulo Underground e de tantos outros projectos e colaborações) que actuará a solo na Zona Franca na quarta-feira (2 de Dezembro), numa parceria entre a ATR e a editora A Traineira! (+ info em baixo e aqui)

Na próxima semana há a estreia em Portugal do duo alemão de free-math-jazz-rock Jealousy Mountain Duo no Disgraça na segunda-feira (7 de Dezembro), com a primeira parte a cargo do novíssimo duo franco-suíço-brasileiro de cybergrind Desflorestação! (+ info em baixo e aqui)

E na quinta-feira (10 de Dezembro) mais uma sessão do ciclo de música improvisada da ATR no Damas com o trio Gabriel Ferrandini, Hernani Faustino e Manuel Mota e com dj set de Sabrez! (+ info em breve)

Na semana seguinte teremos o regresso da dupla canadiana de ambient-metalNadja no dia 17 de Dezembro no Lounge, juntamento com o lançamento daMesinha de Cabeceira #27 “Special XXXmas: Nadja – Ninfeta Virgem do Inferno” de Nunsky pela editora MMMNNNRRRG! E também o início de um novo ciclo da ATR na Zaratan no dia 18 de Dezembro com actuações a solo deAidan Baker dos Nadja e de Söll, projecto do músico aveirense Jorge Pandeirada! (+ info em breve)

Entretanto continua disponível para escuta a mixtape que a ATR e a Stress.Fmprepararam com temas de algumas das bandas e músicos que vão passar por este Dezembro Ruidoso (ou que já passaram pelo Novembro Terapêutico)!

quarta-feira | 2 de Dezembro | 21h30

M. Takara (br)

Zona Franca
Rua de Moçambique, 42 – Lisboa
entrada livre

M. Takara toca Cavulcão
(cavaquinho, percussão e cenas electrónicas que fazem barulho)
«M. Takara é a antítese do Rei da Cocada. Humano e despido de pretensões, Maurício distingue-se como um dos músicos mais geniais e precoces da nova geração de Sampa.
Proeminente figura da improvisação no Brasil, M. Takara é reconhecido por ser um dos elementos de São Paulo Underground do cornetista norte-americano Rob Mazurek, baterista dos Hurtmold e militante no quarteto Baoba Stereo Club. O leque de instrumentos que o músico domina, assim como o catálogo de participações coleccionado ao longo dos anos não só é louvável como invejável: da lendária participação com Pharoah Sanders no mítico festival Jazz em Agosto na Gulbenkian à gravação de Mia Doi Todd, da partilha de palco com Marcelo Camelo à sua participação na banda que acompanhava o falecido Sabotage, Takara apresenta uma energia imparável, alimentada a combustível de foguetão.
Recentemente distinguido na revista The Wire com o projecto Calvulcão, Maurício volta a electrificar o seu cavaquinho, acompanhando-o de ritmos electrónicos e pedais com efeitos mágicos. Cruzando o rock alternativo com a livre-improvisação do jazz, os ritmos de São Paulo e Chicago, resultando em música desafiante e inesperada, que combina espontaneidade, melodias, ruído, ritmo e texturas abstractas… O cavaquinho que vira vulcão!» by Carlos Sol
segunda-feira | 7 de Dezembro | 20h

Jealousy Mountain Duo (de)
Desflorestação (fr/ch)

Disgraça
Rua da Penha de França, 217 – Lisboa
entrada: contribuições livres – mínimo 3 DIYs

Os Jealousy Mountain Duo são um duo alemão de guitarra-bateria que funde géneros aparentemente tão díspares como o free jazz, o pós-rock, a no wave ou o noise para criar uma sonoridade única, onde belas e conflituosas melodias se juntam a complexos e inesperados ritmos numa linha ténue entre a desconstrução da música improvisada mais radical e a precisão do rock mais matemático, criando uma espécie de caos controlado que parece estar sempre à beira do descontrolo, tudo regado com um sentido de humor muito próprio. Após várias digressões pela Europa e pela América do Norte, vêm pela primeira vez a Portugal para apresentar “Nº_03”, o seu terceiro e último disco editado em Setembro do ano passado.

Os Desflorestação são um duo de cybergrind formado por Dodo Cabelo de Genebra (Brasil) e por krodelabestiole de Paris (Brasil). Altamente politicos e empenhados na luta contra a natureza, o caos, a hostilidade e o assassinato, estes terroristas tropicais opõem-se à obscenidade dos pistilos e dos estames a favor de um mundo melhor e com mais alcatrão. Depois da estreia ao vivo no Bartô em Julho deste ano, os Desflorestação regressam aos palcos para semear o pânico ecológico.