…De um 2015 terapêutico para um 2016 ruidoso

 

E assim se passou mais um ano de plena hiperactividade terapêutica! Em 2015 a ATR esteve presente em mais de 80 concertos, sem contar com os inúmeros eventos em que esteve envolvida indirectamente! Claro que nada disto seria possível sem a preciosa participação de todos os colaboradores, músicos, espaços, promotores, editoras, colectivos, divulgadores e público em específico com quem tivemos o prazer de trabalhar ao longo deste ano (e durante todos estes anos)! Aqui fica mais um grande bem-haja ruidoso para todos!

No meio de toda esta hiperactividade é difícil destacar alguns momentos, mas não poderíamos deixar de mencionar a abertura do Espaço Múltiplo, espaço interdisciplinar que junta a ATR, a galeria Zaratan e a editora 1359, entidades cuja parceria já tinha dado frutos como o Ciclo Pré-Go (do qual foi lançado este ano uma pasta das risografias realizadas para este ciclo que inclui uma cassete com excertos dos concertos de cada interveniente) e as Sessões na Carvoaria e que após a inauguração do Espaço Múltiplo com o Festival Múltiplo, tem prosseguido com o Ciclo Três Três Três, os Finais de Tarde em São Bento e mais recentemente o Bi-Ciclo, que começou em Dezembro e que continuará nos próximos meses!

E de referir também a abertura de novos espaços como o Damas, com o qual a ATR tem colaborado desde a festa de inauguração em Abril (com as actuações do nosso indomável Catapulta e dos franceses Dianthus) e onde tem promovido diversos concertos, incluindo um ciclo de música improvisada que também continuará nos próximos meses! Ou o Disgraça, novo centro DIY que abriu em Setembro! E por outro lado o encerramento de espaços como a Casa Viva no Porto, o Mercado Negro em Aveiro ou o Bartô, onde a ATR teve o prazer de organizar inúmeros concertos nos últimos anos, que não fechou, mas que mudou de gerência…

E claro, os espaços com os quais a ATR continuou (ou começou) a cooperar regularmente como o Lounge, o RDA69 (apesar da residência mensal da ATR ter sido interrompida em Junho, depois de 19 edições por onde passaram dezenas de projectos e que começaram e terminaram da melhor maneira com a Trindade Suburbana: Asimov Folkways, Siago Tilva e Peter Wood), aSonoscopia no Porto, as Oficinas do Convento em Montemor-o-Novo, oProjéctil em Braga ou o Estudantino Café (com a colaboração do Luís Chaves) em Viseu, entre tantos outros! E também os promotores, editoras, colectivos e divulgadores com os quais a ATR está (ou passou a estar) intimamente ligada como a Dedos Biónicos, a Experimentáculo, A Giant Fern, a Enough Records, A Besta, a ZigurArtists, a MMMNNNRRRG, A Traineira, a Prisma, a Ya Ya Yeah, aFestas Productions, a Feira Morta, o Um ao Molhe, o Festival Praga, aArquitectura do Ruído ou a Stress.Fm, com a qual a ATR tem lançado váriasmixtapes/podcasts!

Por último a ATR gostaria de relembrar as edições às quais esteve associada este ano: para além do recém-editado “Bear With Me”, primeiro disco a solo do terapeuta do ruído (e membro dos dSCi) Zé Trigueiros, da cassete do Ciclo Pós-Go da Zaratan e do “Tourette”, registo ao vivo da digressão ibérica que os Da Monstra fizeram em Junho; a ATR editou através do seu bandcamp a“Kaüzpellaplatz II”, segundo volume da compilação de tributo ao terapeuta do ruído (e membro dos dSCi e dos Da Monstra) João Capela, a quem também foram dedicados este ano o álbum “Arritmia” dos Da Monstra, lançado em cassete pela própria banda e o “Live at RDA69” dosdOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS, gravação da actuação do projecto de improvisação electroacústica dos dSCi na residência mensal da ATR no RDA69, lançado em formato digial pela netlabel Enough Records.

Do lado dos infames dSCi este foi um ano bastante terapêutico, um pouco mais activo que o de 2014, muito menos hiperactivo que outros, mas nem por isso menos marcante: entre os dois concertos que deram no início do ano com os seus dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS e que resultaram em duas edições (na“(+) uma noite d’A Besta” na Estudantina Recreativa de São Domingos de Ranaem Janeiro, do qual dois excertos foram publicados na “Uma colectânea d’A Besta”, onde também se encontram temas do nosso indomável Catapulta, dos espanhóis Raisa e de alguns dos projectos d’A Besta; e na residência mensal da ATR no RDA69 em Fevereiro com as participações especiais de krodelabestiolee Aude Barrio, cuja gravação foi editada no supramencionado “Live at RDA69”), os dSCi tocaram (com a participação especial do Jorge Nunes) no “Com um V na Volta”, evento de homenagem a Vítor Ribeiro (aka Maçariku) organizado pela Casa da Achada na Guilherme Cossoul em Janeiro.
Em Março embarcaram rumo aos desnortes com os camaradas Focolitus, Juan Inferno e Panelas Depressão para um par de concertos na saudosa Casa Viva no Porto e no Moinho de Silvalde! Em Maio juntaram-se à sua gémea siamesa ATR, à editora MMMNNNRRRG e aos suecos Memeewew para celebrarem os seus respectivos aniversários com uma mini-digressão ibérica que terminou no novo Damas e que contou com a incorporação de dois novos membros: Bernardo e Pedro Augusto (e com as participações especiais de Diogo Silva e Jorge Nunes)! Em Outubro despediram-se do Bartô com as participações especiais de Hezbó MC e LBC Soldjah e com mais um novo membro: Raphael Soares! E para terminar o ano estrearam-se no novo Disgraça!
2016 promete ser ruidoso: em breve regressarão à estrada para mais uma digressão ibérica, desta vez para participarem no TESLA, festival de música experimental de León… (+ info em breve)

E o início de 2016 também promete ser ruidoso para os lados da ATR: além da continuação do ciclo de música improvisada no Damas no dia 14 de Janeiro com o trio de Bruno Parrinha, Luís Lopes e Ricardo Jacinto (e do Bi-Ciclo naZaratan em data ainda por anunciar), teremos a estreia do noise-rapper americano (via Berlim) Walter Gross e os regressos a Portugal do cantautor italiano Gispy Rufina, do ovni americano (via Bruxelas) Le Ton Mité e do incendiário duo franco-italiano Putan Club, que entre outras datas estarão todos presentes no MINI BRUTAL FEST, um mega-evento que decorrerá nos dias 28, 29 e 30 de Janeiro no Damas e que contará ainda com actuações do duo de guitarras noise The Orm e do lendário one-man-band The Legendary Tigerman e com dj sets dos indescritíveis Kafunfo noSoundsystem, do imprevisível DJ Quesadilla e da psicadélica dupla Glenn Pires & Mr. Gönzo, numa parceria entre a ATR, o Mundo Quesadilla e o Damas! (+ info em breve)

Antes disso e para começar o ano em grande, a ATR sugere uma ida àAssociação Informal (nos arredores do Bombarral), onde no próximo sábado (9 de Janeiro) a partir das 18h há a segunda edição das Burning Sessions com concertos dos monstruosos Da Monstra, dos imparáveis Los Empty Heads e do nosso explosivo Gee Bees e uma exposição da Sara Franco! (+ info aqui e aqui)