Esta quinta-feira (4 de Fevereiro) os dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS, o projecto paralelo de improvisação electroacústica dos infames dSCi e os monstruosos Da Monstra regressam aos palcos para se estrearem na Zaratan! (+ info em baixo e aqui)

E depois dos concertos em Leiria, Setúbal, Lisboa e Coimbra o cantautor italiano Gipsy Rufina prossegue a sua digressão pelo nosso país: terça (2 de Fevereiro) em Bragança (no Bô Bar Concerto), quarta (3 de Fevereiro) em Vila Real (no Club de Vila Real), quinta (4 de Fevereiro) em Viseu (no Zepplin), sexta (5 de Fevereiro) no Porto (n’O Meu Mercedes) e sábado (6 de Fevereiro) em Viana do Castelo (no Porta 93)! (+ info em baixo e aqui)

Entretanto o Um ao Molhe, festival itinerante de one-man/woman-bands organizado pela Antes Cowboy que Toureiro com o apoio de diversas entidades, incluindo a ATR, regressa à estrada a partir desta semana para a sua segunda edição: sexta (5 de Fevereiro) em Ponte de Lima (no Teatro Diogo Bernardes), sábado (6 de Fevereiro) em Lisboa (no Sabotage) e domingo (7 de Fevereiro) em Coimbra (no Aqui Base Tango)! O festival que decorrerá durante os próximos três meses, passará em muitas outras cidades e contará com a participação de inúmeros projectos a solo, incluindo o nosso indomávelCatapulta, que actua já este domingo em Coimbra! (+ info aqui e aqui)

Até ao fim do mês haverá também o regresso à estrada dos infamesdUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS para a digressão ibérica Karaoke Tour (que começará no dia 14 de Fevereiro em Coimbra e que terminará no dia 3 de Março em Lisboa)! E ainda a continuação do Bi-Ciclo na Zaratan (no dia 18 de Fevereiro com os projectos belgas Monte Isola e Half Asleep) e do ciclo de música improvisada da ATR no Damas (no dia 25 de Fevereiro com concerto dos Peixe Frito e dj set de Miguel Sá)! (+ info em breve)

E enquanto não chega a próxima edição, continua disponível para escuta amixtape que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de algumas das bandas e músicos que passaram pelo início deste ruidoso ano!

quinta-feira | 4 de Fevereiro | 19h

dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS (pt)
Da Monstra (pt)

Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros

 Formados em Dezembro de 2012 por ocasião da primeira edição do Familiar Fest Lisboa, um mini-festival de circuit bending e electrónica DIY organizado pela ATR e pelas entretanto extintas Flausina e Livraria Sá da Costa, osdOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS são constituídos por membros dos infamesdUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi), que assim se apresentam em formato electroacústico, totalmente improvisado e sem remorsos.
Em 2013 editaram o seu segundo concerto “Live @ Auditório Carlos Paredes”através da Enough Records, netlabel para a qual já tinham contribuído com um tema na compilação “100 Years of Noise” e desde aí têm actuado com diversas formações e convidados nos mais variados eventos como o Pequeño Festival de Fuego (Alicante), o Microvolumes da Sonoscopia (Porto), o Stressando da Stress.Fm (Caldas da Rainha), o Derrube I da Prisma (Coimbra) ou a segunda edição do Familiar Fest (Lisboa).
Em 2015 participaram na (+) Uma noite d’A Besta (São Domingos de Rana), actuação da qual foram incluídos dois excertos na “Uma colectânea d’A Besta“ e tocaram na residência mensal da ATR no RDA69 (Lisboa), cuja gravação deu origem ao “Live at RDA69”, mais uma vez editado pela Enough Records e dedicado ao terapeuta do ruído (e membro dos dSCi e Da Monstra) João Capela, falecido em Fevereiro de 2014.

Da Monstra
Da Monstra é um grupo de música experimental que se alicerça na exploração do ruído e da harmonia musical, simples quando assim o pede e ruidoso quando necessário, aliado à projecção de imagem e luzes para maximizar o ambiente que se pretende transmitir.
Como grupo, Da Monstra aglomera três multi-instrumentistas que por entre feedbacks, volumes e melodias musicam os mais variados temas de forma a transmitir mensagens que nenhuma voz consegue. Uma outra vertente da banda é a construção de instrumentos artesanais que são usados nas performances ao vivo.
Estão de regresso aos palcos lisboetas depois da digressão ibérica que fizeram em Junho de 2015, que serviu de apresentação ao álbum “Arritmia”, lançado em cassete pela própria banda e dedicado ao terapeuta do ruído João Capela e que resultou no registo ao vivo “Tourette”, editado digitalmente em Novembro passado.

terça-feira | 2 de Fevereiro | 22h30
Bô Bar Concerto
Rua dos Combatentes da Grande Guerra – Bragança
organizado por: Dedos Biónicos
entrada: 3 euros

quarta-feira | 3 de Fevereiro | 23h
Club de Vila Real
Avenida Carvalho Araújo – Vila Real
organizado por: Dedos Biónicos
entrada: 3 euros

quinta-feira | 4 de Fevereiro | 22h
Zepplin
Chão do Mestre – Viseu
organizado por: Cadeira Amarela

sexta-feira | 5 de Fevereiro | 22h30
O Meu Mercedes
Rua Lada, 30 – Porto
organizado por: Festas Productions
entrada: 4 euros

sábado | 6 de Fevereiro | 22h30
Porta 93
Rua do Hospital Velho, 14 – Viana do Castelo
organizado por: NAAM
entrada livre

«Gipsy Rufina é o projecto a solo do cantautor nómada Emiliano “Gipsy” Liberali. Originário de Santa Rufina, uma claustrofóbica aldeia no centro da Itália, Gipsy desejava ver o que havia para além das montanhas. Para além das montanhas estava Roma, onde tocou em diversas bandas da cena punk/hardcore dos anos 90. Mas rapidamente Roma se tornou demasiado pequena e Gipsy quis ver o que havia do outro lado do oceano. Uma vez cruzado o oceano, vagueou pelos Estados Unidos da América durante meses e começou a escrever canções com uma guitarra acústica que comprou em Chicago por 10 dólares. De regresso à Europa, depois de muitas viagens pelo mundo, Gipsy gravou a sua primeira maqueta com um gravador de quatro pistas em 2004 e começou a dedicar-se à música a tempo inteiro. Rapidamente a sua vida se transformou numa eterna digressão, seguindo o espírito dos antigos trovadores. Desde aí não tem parado, tocando as suas composições folk/blues um pouco por todo o lado, incluindo pelo nosso país, onde deixou óptimas recordações nas suas passagens em 2011 e 2013.»