Esta semana na Zaratan há concertos da dupla suíço-francesa Erb & Loriot com o artista português Travassos e do trompetista lisboeta Yaw Tembe na quinta-feira (22 de Setembro) e também o 15º episódio do Leitmotiv, ciclo de música escriturada com curadoria de Bernardo Álvares que conta com o apoio da ATR e das Edições Senhora do Monte e que neste episódio terá as participações de Bruno Humberto (texto), Nuno Barroso (imagem) e Maria Radich (som) na sexta-feira (23 de Setembro)! (+ info em baixo e aqui e aqui)

E no sábado (24 de Setembro) a partir das 14h a ATR estará na Cinemateca com a sua distro e com a Zaratan, a sua parceira do Espaço Múltiplo para a décima edição da Feira Morta, evento que junta edições independentes, concertos, filmes, apresentações e tudo o mais, incluindo uma conversa DIY sobre “Espaços de Cultura Independente para o Século XXI” que contará com a presença da ATR! (+ info aqui)

22 de Setembro | quinta-feira | 19h
Erb & Loriot & Travassos (ch/fr/pt)
Yaw Tembe (sz/pt)
Zaratan
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
Christoph Erb (saxofones tenor e soprano) e Frantz Loriot (viola de arco) encontram-se a promover “Sceneries”, o seu primeiro álbum em duo lançado pela editora portuguesa Creative Sources em Abril deste ano. A música que se poderá esperar é uma exploração de som e estrutura, harmonia e dissonância com resultados eruptivos, por vezes brutais. O desconhecido como tonturas momentâneas, num exercício de audição mútua. Igualmente perturbador e tranquilizante. Na Zaratan o duo suíço-francês contará com a participação especial do artista português Travassos.

Nascido na Suazilândia no final dos anos 80, mas radicado em Lisboa, Yaw Tembe é um jovem artista multidisciplinar com um trabalho caracterizado pela fragilidade e efemeridade num processo que tem cruzado as várias áreas onde se articula cujo raio de acção comporta a escultura, a poesia e a música. Neste campo, tem sido o trompete a potenciar um crescente reconhecimento através de um processo contínuo em colaboração com vários improvisadores nacionais onde tem desenvolvido um trabalho baseado na exploração de possibilidades tímbricas do instrumento através de recursos acústicos (tais como a criação de surdinas e outros dispositivos) e também no cruzamento entre o acústico e o electrónico.