A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) estiveram a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano, eis o programa de festas para o décimo e último capítulo destas comemorações!

Este sábado (9 de Dezembro) o terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Boris dos Bosques regressa ao concertos na Galeria Suspensa aka Pequena Notável, novo espaço cultural em Lisboa! (+ info aqui)

E nessa mesma noite (sábado | 9 de Dezembro) mas mais tarde, Boristranforma-se em Catapulta e junta-se mais uma vez ao terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Desmarques para participarem em formato b2b no Satuday Night OD, evento que decorrerá no Fontória e que contará também com actuações do novíssimo trio lisboeta 3I3O e do colectivo holandês FCKN BSTRDS e com dj set dos DJ’s ‘r’ Us! (+ info aqui)

Na próxima semana (quarta-feira | 13 de Dezembro) no Lounge haverá as estreias de duas duplas de música electrónica de França, os Lovataraxx com a sua dark/coldwave hipnótica e dançável e os Traînée com a sua new wave analógica e minimal, seguidas de dj set de Mário Valente! (+ info em breve e aqui)

E nessa mesma noite (quarta-feira | 13 de Dezembro) mas em Paris, os míticos Focolitus estarão a tocar com os incendiários Putan Club no Petit Bain para a festa de estreia do filme “A Fábrica de Nada” em França! (+ info aqui)

No dia 15 de Dezembro haverá a conclusão do Versus – Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta décima e última sessão terá como antagonistas Gil Delindro com as suas experimentações sonoras, Humberto com as suas canções experimentais e Mário Trovador com os seus experientes cânticos! (+ info em breve e aqui)

E na semana seguinte (sábado | 23 de Dezembro) haverá o décimo e último acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá uma prelecção sobre ruído terapêutico pelos infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS, uma palestra sobre ruído bestial pelos famigerados Cardíaco e uma conferência bipartida sobre ruído antagonista pelos peritos unDJ MMMNNNRRRG e Dj Vaipes! Para a ocasião será feita a reedição digital através do bandcamp dos dSCi do tema “Bursite”, o lado A da “Chains Split Tape Vol. 2”, cassete que juntou os dSCi aos Cardíaco e que foi editada no ano passado em versão analógica e digital pel’A Besta! (+ info em breve e aqui)

Entretanto os infames dSCi farão (em data ainda por definir) a sua segunda DIStapa, jantar semanal que as várias bandas e grupos que ensaiam no Disgraça servem todas as quartas-feiras e que junta tapas veganas a projecções de filmes com o intuito de angariar fundos para a manutenção do espaço! E já está disponível através do bandcamp dos dSCi a reedição digital da cassette “SADITREVNiSAIEHCLOcIMEsSAUd”, originalmente editada pel’A Giant Fernem 2010 e reeditada digitalmente pela Enough Records em 2011!

Advertisements
Posted in Uncategorized

A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano, eis como termina o nono e penúltimo capítulo destas comemorações!

Esta sexta-feira (24 de Novembro) há o nono acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá uma conferência sobre ruído independente pelo one-man-band Sheik Anorak (projecto principal do especialista francês Frank Garcia que vem a Lisboa pela quinta vez depois de duas inesquecíveis actuações a solo em 2015 e dos concertos com os -1 em 2016 e com os Neige Morte no início deste ano), um colóquio sobre ruído transatlântico pelo professor brasileiro-portuense O Gringo Sou Eu e uma dissertação sobre ruído transcendente pelo doutor Mário Valente! (+ info baixo e aqui)

Entretanto AMANHÃ (quarta-feira | 22 de Novembro) os infames dSCi vão estar a fazer a sua primeira DIStapa, jantar semanal que as várias bandas e grupos que ensaiam no Disgraça servem todas as quartas-feiras e que junta tapas veganas a projecções de filmes com o intuito de angariar fundos para a manutenção do espaço! Nesta sessão o filme será “Instrument”, documentário de Jem Cohen sobre/com os Fugazi e para a ocasião será também feita a reedição digital através do bandcamp dos dSCi da cassette “SADITREVNiSAIEHCLOcIMEsSAUd”, originalmente editada pel’A Giant Fernem 2010 e reeditada digitalmente pela Enough Records em 2011! (+ info em baixo e aqui)

“Instrument” (1999/2001 – 115 mins.) é o resultado da colaboração entre o realizador Jem Cohen e os Fugazi, filmado entre 1987 e 1997 em vários suportes e em diversas situações é muito mais do que o típico documentário sobre uma banda, é antes um autêntico documento musical que retrata 10 anos de trabalho e suor deste mítico grupo de Washington D.C., que apesar de estar inactivo desde 2003 continua a ser uma influência de como fazer música sincera num mundo repleto de falsidades.
Convenção Internacional do Ruído Terapêutico #9

24 de Novembro | sexta-feira | 23h

Sheik Anorak (fr)
O Gringo Sou Eu (br/pt)
Mário Valente (dj set)

Damas
Rua da Voz do Operário, 60 – Lisboa
entrada livre

No cada vez mais fértil panorama das promotoras e demais agentes de disseminação cultural fundamentadas na crença e na verdade, é absolutamente obrigatório destacar o pioneirismo bravo do trabalho incansável desta Associação Terapêutica do Ruído contra todas as intempéries. Entidade gémea dos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS que tem vindo a a inflamar o tecido cultural deste país com inúmeros concertos e actividades espalhados por todos os locais de interesse neste país, num exemplo de bravura ainda longe de estar devidamente cartografado, mas merecedor do maior respeito e admiração.

No ano em que celebram uma década de actividade, num exemplo quase único de resistência e visão por estes lados, esta cooperativa de meliantes e agitadores fundamentada num princípio comunal de honestidade e coração celebram esse mesmo feito com a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico. Nova residência da ATR nesta casa que sempre os acolheu e que se vai estender ao longo deste ano em 10 aparições alinhadas com o espírito inconformista e a vontade que sempre guiou os seus instintos.

Sheik Anorak
Figura nómada com incontáveis horas passadas pelos não-lugares físicos e mentais que atravessam mais de 500 concertos por entre a solidão, projectos como Neige Morte, Totale Eclipse, SoCRaTeS e um trio selvagem com o saxofonista Mario Rechtern e o fundamental baterista Weasel Walter, Frank Garcia tem em Sheik Anorak a sua forma de expressão mais duradoura e pessoal. Projecto em exploração contínua, que após baforadas noise recorta desse estrilho um traçado harmónico que tem vindo a ser continuamente redesenhado desde o exemplificativo ‘Day 01’. Emitidas pela sua Gaffer Records – Mats Gustafsson, Jazkamer, MoHa!, etc – as transmissões de Sheik Anorak reagem ao sonambulismo indie rock às custas de uma energia vital que vem dos tempos da Dischord dos 90’s, do ruído catártico de ‘Daydream Nation’ ou de quando os …And You Will Know Us by the Trail of Dead eram das coisas mais excitantes a acontecer.

O Gringo Sou Eu
Nascido da simplicidade e crueza das formas mais puras, O Gringo Sou Eu reflecte de forma crua e afiada as preocupações sociais, políticas e humanas do seu mentor – Frankão – numa música comunitária que une a realidade das favelas do Rio de Janeiro aos bairros sociais portugueses. Assente em batidas simples mas infecciosas, Frankão vai discorrendo uma lírica tão incisiva quanto humorada, numa música pejada de samples descarnados e reais, pejados de histórias, deste e do outro lado do Atlântico.

Mário Valente
Pessoa incontornável nos desígnios culturais desta cidade, Mário Valente amealha anos e anos de conhecimento, paixão e actividade quer enquanto programador do Lounge – não só, mas de forma mais visível – quer enquanto DJ. É daqueles cujo conhecimento se podia dizer absoluto, não fosse o próprio incansável numa procura infinita, que tem na música e no cinema um campo de acção particularmente dialogante. De uma forma ou de outra, qualquer pessoa com o mínimo de interesse já se deve ter deparado com ele, pelo que se torna meio desnecessário tentar descortinar aquilo que vai passar pelos pratos nesta noite – disco? bandas sonoras? electro? funk?

textos: Bruno Silva
artwork: José Smith Vargas

Posted in Uncategorized

A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano, assim prossegue o nono e penúltimo capítulo destas comemorações!

Esta quinta-feira (16 de Novembro) os terapeutas do ruído (e membros dos infames dSCi) Catapulta e Desmarques juntam-se mais uma vez em formato b2b para um concerto no Lounge com o americano Walter Gross, que volta a Lisboa depois de um memorável concerto em Janeiro do ano passado! (+ info em baixo e aqui)

De seguida será a vez do cantautor finlandês Herra Mäkikuisma regressar após as passagens por Portugal em 2014, 2015 e 2016: entre outras datas tocará com o terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Boris dos Bosques no Irrealna próxima segunda-feira (20 de Novembro)! (+ info em baixo e aqui)

Nessa mesma semana (quarta-feira | 22 de Novembro) os infames dSCi farão a sua primeira DIStapa, jantar semanal que as várias bandas e grupos que ensaiam no Disgraça servem todas as quartas-feiras e que junta tapas veganas a projecções de filmes com o intuito de angariar fundos para a manutenção do espaço! Para a ocasião será também feita a reedição digital através do bandcamp dos dSCi da cassette “SADITREVNiSAIEHCLOcIMEsSAUd”, originalmente editada pel’A Giant Fern em 2010 e reeditada digitalmente pela Enough Records em 2011! (+ info em breve)

E no dia 24 de Novembro haverá o nono acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá as participações do one-man-band francês Sheik Anorak, do músico brasileiro-portuense O Gringo Sou Eu e do dj lisboeta Mário Valente! (+ info em breve e aqui)

16 de Novembro | quinta-feira | 21h30

Walter Gross (us)
Catapulta b2b Desmarques (pt)

Lounge
Rua da Moeda, 1 – Lisboa
entrada livre

Walter Gross é uma força em si mesmo. Realizador de filmes, artista visual e mestre da desconstrução e da reapropriação de beats, a sua abordagem sem regras ao lado mais experimental do hip-hop tem-no levado a colaborações com artistas como K-the-I???Skrapez e Sole (co-fundador da editora Anticon) e a várias digressões nos Estados Unidos da América e na Europa. Actualmente radicado em Berlim, de onde vai destilando ritmos mutilados e vozes distorcidas a partir do seu claustrofóbico laboratório, Walter Gross regressa a Portugal para nos mostrar a sua visão da cena psych-freak-noise de Baltimore, cidade onde residiu durante vários anos, num mosaico sonoro alimentado por um vasto e diverso espectro musical em constante reinvenção que é sistematicamente reconstruído, destruído e remontado com uma intensidade provocante.

Os terapeutas do ruído Catapulta e Desmarques reúnem-se mais uma vez em formato “back to back” para junta, separada e alternadamente nos apresentarem os seus trabalhos a solo: de um lado as canções simples de Catapulta construídas a partir da acumulação de camadas sonoras em loops de bouzouki eléctrico, pedaleiras de efeitos, voz, osciladores, teclados e outros pequenos instrumentos caseiros e do outro as improvisações livres da guitarra portuguesa electrificada de Desmarques, pontilhadas por pedais de efeitos e samples de cassettes perdidas e achadas.

20 de Novembro | segunda-feira | 21h30

Herra Mäkikuisma (fi)
Boris dos Bosques (pt)

Irreal
Rua do Poço dos Negros, 59 – Lisboa
entrada livre + contribuições conscientes

Herra Mäkikuisma é um alter ego de Olli Hopia surgido em 2010 quando o músico finlandês viajava num cargueiro pelo gélido Mar Báltico a caminho de Rostock. Foi aí que escreveu as primeiras letras deste seu projecto a solo com o qual começou a fazer digressões em 2012, inicialmente com Juhana Iivonen na Alemanha, depois a sós em Portugal, Espanha e Alemanha e mais recentemente com Tim Holehouse no Reino Unido. Vem pela quarta vez ao nosso país para apresentar o seu novo EP ”Marbles”, sucessor do álbum ”Voice Inside Our Beacon” editado no ano passado, onde mais uma vez nos mostra com uma honestidade desarmante as suas canções folk inspiradas em estórias que tem vivido em longas e solitárias caminhadas pela natureza.

Boris dos Bosques toca canções em tons azuis com o sussurrar do vento dos montes e o sol a arder no horizonte.

Posted in Uncategorized

A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano! Eis o programa de festas para o nono e penúltimo capítulo destas comemorações!

Esta sexta-feira (10 de Novembro) há a nona sessão do Versus – Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta sessão terá como antagonistas o belga Beyt Al Tapescom os seus espectros magnéticos e o português A. Trindade com os seus circuitos viscerais e como artista convidado o XOSCX! (+ info em baixo e aqui)

Entretanto o duo checo-italiano Oswaldovi está de regresso a Portugal e AMANHÃ (quarta-feira | 8 de Novembro) actua no Céu de Vidro (Caldas da Rainha) com os terapeutas do ruído (e membros dos infames dSCi) Catapulta e Desmarques em formato b2b, por ocasião do Magusto do Grémio Caldense! (+ info aqui)

E na próxima semana (quinta-feira | 16 de Novembro) os dois terapeutas do ruído Catapulta e Desmarques juntam-se mais uma vez em formato b2b para um concerto no Lounge com o americano Walter Gross, que volta a Lisboa depois de um memorável concerto em Janeiro do ano passado! (+ info em breve e aqui)

De seguida será a vez do cantautor finlandês Herra Mäkikuisma regressar após as passagens pelo nosso país em 2014, 2015 e 2016: entre outras datas tocará no Irreal no dia 20 de Novembro! (+ info em breve e aqui)

Nessa mesma semana (22 de Novembro) os infames dSCi farão a sua primeira DIStapa, jantar semanal que as várias bandas e grupos que ensaiam no Disgraça servem todas as quartas-feiras e que junta tapas veganas a projecções de filmes com o intuito de angariar fundos para a manutenção do espaço! Para a ocasião será também feita a reedição  digital através do bandcamp dos dSCi da cassette “SADITREVNiSAIEHCLOcIMEsSAUd”, originalmente editada pel’A Giant Fern em 2010 e reeditada digitalmente pela Enough Records em 2011! (+ info em breve)

E no dia 24 de Novembro haverá o nono acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá as participações do power-trio francês Totale Eclipse, do brasileiro-portuense O Gringo Sou Eu e do dj Mário Valente! (+ info em breve e aqui)

Versus – Ciclo de Música Antagónica

10 de Novembro | sexta-feira | 19h

Beyt Al Tapes (be) vs. A. Trindade (pt)

Versus IX
Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios- quota anual sócio: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan – Arte Contemporânea apresentam Versus, um ciclo de concertos a acontecer mensalmente na Zaratan.
Seguindo um princípio ecléctico de programação, o pressuposto desta nova aventura musical é juntar projectos diferentes entre si, ou até mesmo opostos, numa mesma sessão. Neste aparente antagonismo procuramos pontos de contacto e/ou de divergência que ilustrem de algum modo a complexidade e diversidade das definições estilísticas da música contemporânea.
Em cada sessão haverá o lançamento de um cartaz em risografia realizado propositadamente para a ocasião. A convite da Zaratan, diferentes artistas recebem o desafio de criar uma imagem de alguma forma ligada ao tema do antagonismo, inspirada também nas sonoridades dos projectos convidados pela ATR a participar neste ciclo.

Beyt Al Tapes, que em árabe significa “a casa das cassettes”, começou por ser uma editora de cassettes e acabou por se transformar num projecto a solo de composições com cassettes em que fantasmas e culturas exóticas convivem com avant-garde, embora aqui o avant-garde seja mais sobre ser-se apanhado num loop poético. Trata-se de fitas magnéticas, altas frequências, sons encontrados, sintetizadores abstractos, poesia vocal rudimentar e conceitos abertos, mas também de jogar xadrez, ficar obcecado com detalhes concretos da realidade e perseguir fenómenos espectrais. Por vezes Beyt Al Tapes enverga lençóis usados para marcar a sua posição, no fundo é apenas um transportador da confusão geral.

A. Trindade actua com instrumentos da sua autoria, modificados por circuit bending. Este processo consiste na procura de novas ligações possíveis nos circuitos de instrumentos eléctricos (brinquedos de criança, rádios ou órgãos), com o intuito de sintonizar a sua voz própria – aquela que se esconde por detrás das opções de som pré-definidas de cada objecto. O resultado é uma amplitude de sons imprevisíveis e viscerais, que Trindade trabalha para formar texturas ásperas e cruas, modeladas através de ecos cavernosos. Este processo é espelhado na produção visual desenvolvida por Trindade com colagens e fotocópias, que igualmente avança em direcção ao cerne da máquina (uma fotocopiadora avariada, herdada de uma sociedade arqueológica) através de sucessivas ampliações dos seus erros e da sua linguagem técnica latente. André Trindade é artista visual e co-fundador da editora de cassettes URUBU, dedicada à música experimental de vários espectros.

XOSCX é um bom rapaz, de trato irrepreensível e cordialidade sem paralelo. Por onde passa, os mais velhos desfraldam-lhe elogios e rebuçados.
A exteriorização dessa vivência e conduta resulta naturalmente na representação de entranhas e visco de animais e vegetais, momentos do nascimento ou renascimento de criaturas subnutridas, portais, iconografia e caracteres extra-terrestres e outras temáticas do género.

Posted in Uncategorized

A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano! Depois de terminadas a KsChNpSk Tour dos infames dSCi com os ignóbeis Desflorestação e a Tuktuk Tour dos intrépidos Parpar e após tantas outras hiperactividades ruidosas, eis o programa de festas para o fim deste mês!

Esta quinta-feira (26 de Outubro) há o oitavo acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá um colóquio sobre ruído retro-futurista pela dupla francesa FUTUR.s MORT.s, uma palestra sobre ruído violoncelista pela professora Joana Guerra e mais uma prelecção sobre ruído gira-disquista pelos Kafunfo noSoundsystem, o indescritível colectivo de djs da ATR! (+ info em baixo e aqui)

Na sexta-feira (27 de Outubro) o terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Desmarques participará juntamente com André Calvário e Jorge Nuno na sétima edição do Bisonho, ciclo mensal de encontros improvisados organizado pela editora/colectivo A Besta na Zaratan! (+ info aqui)

E no sábado (28 de Outubro) o terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Catapulta actuará na terceira sessão do Solo O’sábado, série semanal de concertos a solo do Banco! (+ info aqui)

Convenção Internacional do Ruído Terapêutico #8

26 de Outubro | quinta-feira | 23h

FUTUR.s MORT.s (fr)
Joana Guerra (pt)
Kafunfo noSoundsystem (dj set)

Damas
Rua da Voz do Operário, 60 – Lisboa
entrada livre

No cada vez mais fértil panorama das promotoras e demais agentes de disseminação cultural fundamentadas na crença e na verdade, é absolutamente obrigatório destacar o pioneirismo bravo do trabalho incansável desta Associação Terapêutica do Ruído contra todas as intempéries. Entidade gémea dos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS que tem vindo a a inflamar o tecido cultural deste país com inúmeros concertos e actividades espalhados por todos os locais de interesse neste país, num exemplo de bravura ainda longe de estar devidamente cartografado, mas merecedor do maior respeito e admiração.

No ano em que celebram uma década de actividade, num exemplo quase único de resistência e visão por estes lados, esta cooperativa de meliantes e agitadores fundamentada num princípio comunal de honestidade e coração celebram esse mesmo feito com a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico. Nova residência da ATR nesta casa que sempre os acolheu e que se vai estender ao longo deste ano em 10 aparições alinhadas com o espírito inconformista e a vontade que sempre guiou os seus instintos.

FUTUR.s MORT.s
Duo francês formado por STL e Miquel – cujo ofício passa por projectos como Ultrademon ou Seasick6 – que agarra naquele caudal mais negro do post-punk antes deste se laminar na coldwave e faz disso matéria para canções curtas assentes em tons menores e batidas marciais numa atmosfera densa que traz à memória a melancolia desesperada dos Live Skull ou até o lado mais alucinatório dos Sonic Youth iniciais, se estes tivessem particular interesse no lado negro da força.

Joana Guerra
Violoncelista com um muito interessante percurso por entre a improvisação e a composição, cuja trajectória passa pelos Bande à Parte ou ‘Teatrise’ de Cornelius Cardew para além de aparições mais ou menos ad-hoc, Joana Guerra consegue a solo uma união iluminada entre a canção e a electro-acústica que teve em ‘Cavalos Vapor’ – com edição da Revolve no ano transacto – tratado de encanto. Canções sonhadoras alinhadas pela hipnose do violoncelo que se revelam em camadas de luz e sobre as quais paira uma voz em chamamento onírico.

Kafunfo noSoundsystem
Braço gira-disquista da ATR num contínuo natural com os princípios fundadores da mesma. Ou seja, a mesma procura pelo novo, pelo destemido e pelo único em sets de uma imprevisibilidade e demência tão acolhedora quanto inconformista.

textos: Bruno Silva
artwork: José Smith Vargas

Posted in Uncategorized