Este ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) estarão a comemorar 10 anos de ruído terapêutico com muitas surpresas e a mesma hiperactividade de sempre!

Relembramos que AMANHÃ (terça-feira | 17 de Janeiro) a partir das 19h30 no Disgraça há concertos de Neige Morte, o trio de black metal noise de Sheik Anorak, o one-man-band francês que a ATR recebeu por duas vezes em 2015 (e com a dupla -1 no ano passado) e de Traumático Desmame, o mítico trio lisboeta que está de regresso ao activo no ano em que também celebra o seu décimo aniversário! E além dos concertos haverá o habitual (e sempre delicioso) jantar vegano! (+ info aqui)

E esta quinta-feira (19 de Janeiro) começa a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, nova residência mensal da ATR no Damas que neste primeiro acto contará com uma palestra de l’ocelle mare, perito francês em ruído acústico que esteve na segunda edição do Festival Terapêutico do Ruído em 2011 e na primeira edição do Mi Casa Es Tu Casa no Barreiro e na Feira do Gado da saudosa Da Barbuda em 2012 (e mais recentemente na Casa Senhora do Monte); com uma conferência sobre ruído tradicional brasileiro de São Bernardo, novo projecto a solo do professor Bernardo Álvares e ainda com uma prelecção sobre ruído gira-disquista pelos Kafunfo noSoundsystem, o indescritível colectivo de djs da ATR! (+ info em baixo e aqui)

No sábado (21 de Janeiro) às 21h30 o nosso indomável Catapulta regressa aos palcos lisboetas para actuar n’A Válvula, novo espaço cultural no Alto de São João que abriu no Verão passado! (+ info aqui)

E para terminar o mês os infames dSCi regressam À da Maxada no dia 28 de Janeiro para participarem no Espaço, um encontro de artes e técnicas que decorrerá neste espaço autónomo em Setúbal de dia 21 a 29 de Janeiro e que incluirá diversas oficinas, concertadas, almoçaradas e jantaradas! (+ info em breve e aqui)

Entretanto já está disponível para escuta a mixtape “10 anos de ATR & dSCi (capítulo I)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou ainda vão passar por este ruidoso mês! E também já estão disponíveis através do bandcamp d’A Besta as edições digitais dos temas “Bursite” e “Ataque”, os lados A e B da “Chains Split Tape Vol. 2”, cassete que foi lançada em Outubro do ano passado e que junta os dSCi aos Cardíaco, projecto de exploração sonora deste colectivo/editora bestial!

Convenção Internacional do Ruído Terapêutico #1

19 de Janeiro | quinta-feira | 23h

l’ocelle mare (fr)
São Bernardo (pt)
Kafunfo noSoundsystem (dj set)

Damas
Rua da Voz do Operário, 60 – Lisboa
entrada livre

No cada vez mais fértil panorama das promotoras e demais agentes de disseminação cultural fundamentadas na crença e na verdade, é absolutamente obrigatório destacar o pioneirismo bravo do trabalho incansável desta Associação Terapêutica do Ruído contra todas as intempérides. Entidade gémea dos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS que tem vindo a a inflamar o tecido cultural deste país com inúmeros concertos e actividades espalhados por todos os locais de interesse neste país, num exemplo de bravura ainda longe de estar devidamente cartografado, mas merecedor do maior respeito e admiração.

No ano em que celebram uma década de actividade, num exemplo quase único de resistência e visão por estes lados, esta cooperativa de meliantes e agitadores fundamentada num princípio comunal de honestidade e coração celebram esse mesmo feito com a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico. Nova residência da ATR nesta casa que sempre os acolheu e que se vai estender ao longo deste ano em 10 aparições alinhadas com o espírito inconformista e a vontade que sempre guiou os seus instintos.

l’ocelle mare
Projecto a solo do francês Thomas Bonvalet – actualmente sediado em Espanha – nascido após a militância nos Cheval de Frise entre 1998 e 2004, l’ocelle mare parte da guitarra acústica para a dotar de novas realidades recorrendo à amplificação, ao uso de inúmeros objectos e formas de processamento numa procura incessante de sons inusitados e de uma abstracção elevada em tangentes ao drone, à música concreta e ao ruído.

São Bernardo
Explorador de ouvido absoluto e apaixonado pelos sons puros e de raíz sem geografia definida, Bernardo Álvares expande essa procura infinita que alimenta já as visões de Älforjs e Zarabatana através de um filtro sacro-minimalista informado por gente como La Monte Young ou Janita Salomé. Nesta sua primeira demanda a solo, São Bernardo irá fazer uma releitura de temas do cancioneiro brasileiro como ‘Pontos de Luz’ (Jards Macalé / Gal Costa) ou ‘Jovem Tirano Príncipe Besta’ (Negro Leo)

Kafunfo noSoundsystem

Braço gira-disquista da ATR num contínuo natural com os princípios fundadores da mesma. Ou seja, a mesma procura pelo novo, pelo destemido e pelo único em sets de uma imprevisibilidade e demência tão acolhedora quanto inconformista.

textos: Bruno Silva
artwork: José Smith Vargas

Posted in Uncategorized

10 anos de ATR & dSCi (capítulo I)

adc4f984-edf1-4642-bd44-539e570e067b.gif

Este ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) estarão a comemorar 10 anos de ruído terapêutico com muitas surpresas e a mesma hiperactividade de sempre!

Esta quinta-feira (12 de Janeiro) há o início do Versus – Ciclo de Música Antagónica, um novo ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta primeira sessão terá actuações de três antagonistas internacionais: o britânico Horacio Pollard com o seu noise abrasivo, o italiano Giulio Aldinucci com as suas paisagens electro-acústicas e o belga Manu Louis com a sua pop pós-moderna! (+ info em baixo e aqui)

E na próxima terça-feira (17 de Janeiro) no Disgraça há o regresso de Sheik Anorak, o one-man-band francês que a ATR recebeu por duas vezes em 2015 (e com a dupla -1 no ano passado) e que desta feita nos vem apresentar o seu trio de black metal noise Neige Morte! A acompanhá-lo estará o mítico trio lisboeta Traumático Desmame, que assim regressa à actividade no ano em que também celebra o seu décimo aniversário! (+ info em baixo e aqui)

Nessa mesma semana (quinta-feira |19 de Janeiro) começa a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, nova residência mensal da ATR no Damas que neste primeiro acto contará com uma palestra de l’ocelle mare, perito francês em ruído acústico que esteve na segunda edição do Festival Terapêutico do Ruído em 2011 e na primeira edição do Mi Casa Es Tu Casa no Barreiro e na Feira do Gado da saudosa Da Barbuda em 2012 (e mais recentemente na Casa Senhora do Monte); com uma conferência sobre ruído tradicional brasileiro de São Bernardo, novo projecto a solo do professor Bernardo Álvares e ainda com uma prelecção sobre ruído gira-disquista pelos Kafunfo noSoundsystem, o indescritível colectivo de djs da ATR! (+ info em breve e aqui)

E para terminar o mês os infames dSCi regressam À da Maxada no dia 28 de Janeiro para participarem no Espaço, um encontro de artes e técnicas que decorrerá neste espaço autónomo em Setúbal de dia 21 a 29 de Janeiro e que incluirá diversas oficinas, concertadas, almoçaradas e jantaradas! (+ info em breve e aqui)

Entretanto continua disponível através do bandcamp d’A Besta a edição digital do tema “Bursite”, o lado A da “Chains Split Tape Vol. 2”, cassete que foi lançada em Outubro do ano passado e que junta os dSCi aos Cardíaco, projecto de exploração sonora deste colectivo/editora bestial! Em breve sairá também a versão digital do lado B (e entretanto a versão analógica continua disponível para venda através d’A Besta e da distro ATR no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou num concerto próximo de si)!

12 de Janeiro | quinta-feira | 19h

Horacio Pollard (uk)
vs.
Giulio Aldinucci (it)
vs.
Manu Louis (be)

Versus I
Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual sócio: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan – Arte Contemporânea apresentam Versus, um novo ciclo de concertos a acontecer mensalmente na Zaratan.
Seguindo um princípio ecléctico de programação, o pressuposto desta nova aventura musical é juntar projectos diferentes entre si, ou até mesmo opostos, numa mesma sessão. Neste aparente antagonismo procuramos pontos de contacto e/ou de divergência que ilustrem de algum modo a complexidade e diversidade das definições estilísticas da música contemporânea.

A música de Horacio Pollard é como uma avalanche nauseabunda, mas simultaneamente extática, de êxitos estripados e desconstruídos, repletos de graves imundos, harmónicos vaginais e grooves iconoclastas, onde a fúria cáustica de uma flatulência cósmica fica suspensa no espaço morto de um distópico pesadelo húmido kubrickiano. O resultado destas turbulentas experiências sonoras tem sido editado pela Drid Machine, incrível editora norueguesa que também conta com os préstimos de bandas como Noxagt, Sightings ou Ultralyd, com as quais este noisemaker radicado no Reino Unido tem partilhado os palcos.

vs.

Giulio Aldinucci é um activo compositor italiano, versado em música electro-acústica experimental e na exploração de paisagens e ambientes sonoros. Além da sua extensa discografia a solo, das diversas participações em compilações (como “Elements” da editora japonesa Home Normal, “Sound at Work” do centro de pesquisa musical Tempo Reale, fundado por Luciano Berio ou “The Wire Tapper” da influente revista The Wire, entre outras) e das inúmeras colaborações colectivas, Giulio compõe também música para teatro, videoarte, documentários e curtas-metragens e é curador do Archivio Italiano Paesaggi Sonori.

vs.

Manu Louis é um músico, compositor e cantor belga que ao longo da sua carreira tem passado pelos mais variados géneros como o jazz, a música clássica contemporânea, a chanson française e mais recentemente a música electrónica, não só nos projectos Funk Sinatra e The Gardening Group, mas também compondo para orquestras de câmara, conjuntos de cordas ou fanfarras. Em nome próprio tem incendiado plateias com a sua mistura luxuriante e glamorosa de synth-pop, eurodance, arranjos orquestrais exóticos e um sentido de humor único, como tão bem comprova o seu álbum de estreia “Kermesse Machine”, editado no ano passado pela Igloo Records.

17 de Janeiro | terça-feira | a partir das 19h30

Neige Morte (fr)
Traumático Desmame (pt)

Disgraça
Rua da Penha de França, 217 – Lisboa
entrada: contribuições livres – mínimo 3 DIYs

Neige Morte é uma entidade obscura oriunda de Lyon (França), espécie de besta tricéfala imbuída de crueldade que se manifesta através de uma mistura hipotérmica e opressiva de black metal e noise, aparentemente enraizada em terroríficos rituais primitivos. Lentas e tortuosas passagens atmosféricas explodem em riffs gélidos vindos do black e do death metal mais progressivo, como uma ave de rapina que em vez de investir directamente ao pescoço da vítima, prefere persegui-la durante um longo período de tempo e atacá-la inesperadamente logo que os seus ouvidos parecem estar a familiarizar-se com a sonoridade bizarra e de difícil catalogação deste trio.
Provenienente do lado mais experimental e niilista da cena underground francesa, Neige Morte estreia-se Portugal para apresentar o seu terceiro álbum, que foi gravado durante a digressão que fizeram pela Rússia no ano passado e que será editado muito em breve.

Traumático Desmame nasceu numa sexta-feira 13 de Abril de 2007. Foi no bairro dos Anjos, Lisboa, na festa de lançamento da X.U.P.A. (Xth Uselesss Poorductions Anniversary), a partir do convite de alguém que queria ser artista, feito a um músico decente e a um miúdo barbudo. Três personagens essas que na altura andavam a perder tempo com bandas que ninguém conhecia (DSM DCLXVI, Kromleqs, Strip My Dog) e que haviam participado na dita cuja compilação…
Traumático Desmame quer tocar lento, pesado e fodido que chegue, sempre improvisado. Simulando uma refeição de sushi de cisne, rodeados daquele conforto austral do novo mundo. Niilistas, os ensaios são muito (mas muito) melhores que os concertos, porque tal como diz aquele ditado confuciano: não está lá ninguém para os ouvir. As letras se existissem seriam sobre várias maleitas decorrentes ao longo da vida de um infortunado ser humano, do parto ao óbito. Ao vivo apresentam-se sempre às escuras, com suporte visual em vídeo projectando imagens retiradas das obras de diversos realizadores…
Traumático Desmame já lubrificou (ou ludibriou?) audiências ilustres e humildes,  mas ser ecléctico não é ser politicamente correcto. Era suposto só ter havido um concerto. Esperamos sempre que o próximo seja o último…

em breve mais info sobre a CIRT
Posted in Uncategorized

Já está disponível através do bandcamp d’A Besta a edição digital do tema “Bursite”, o lado A da “Chains Split Tape Vol. 2”, cassete que foi lançada em Outubro passado e que junta os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS aos Cardíaco, projecto de exploração sonora deste colectivo/editora bestial! Em breve sairá também a versão digital do lado B (e entretanto a versão analógica continua disponível para venda através d’A Besta e da distro ATR no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou num concerto próximo de si)!

Assim termina mais um ano de hiperactividades terapêutico-ruidosas em que a ATR esteve envolvida directa ou indirectamente em cerca de uma centena de eventos por onde passaram inúmeros projectos dos mais variados feitios e proveniências! Mais uma vez tudo isto só foi possível com a preciosa participação de todos os colaboradores, músicos, espaços, promotores, editoras, colectivos, divulgadores e público em específico com quem a ATR teve o prazer de trabalhar ao longo deste ano (e durante todos estes anos)! Um enorme e ruidoso bem-haja a tod@s por existirem e por continuarem a acreditar!

Entre esta miríade de eventos seria injusto estar a destacar algum em específico já que para a ATR cada um é sempre o mais especial e o próximo é sempre o mais importante, mas não poderíamos deixar de mencionar o MINI BRUTAL FEST no Damas, O Ruído Terapêutiko da Klasse Operária organizado em parceria com o colectivo underground londrino Workin’Klass Noize ou a segunda edição do Festival Múltiplo na Zaratan! E também os ciclos mensais de música improvisada no Damas e Bi-Ciclo e S.O.M.A. na Zaratan ou as participações no Salón Fuzz do Mário Valente no Lounge (com Martin Bisi e Kafunfo noSoundsystem) e na Combustão Lenta da ZigurArtists no Desterro (com  dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS & Dj LiloCox & Dj Maboku e com Catapulta b2b Desmarques)!

Do lado dos infames dSCi além da já referida split tape, há a salientar a reedição digital da discografia (quase) completa através do bandcamp da banda, o regresso às digressões com a Karaoke Tour, que os levou ao festival de experimentação sonora e visual TESLA em León e ainda a a inauguração da sala de concertos da À da Maxada,  novo espaço autónomo em Setúbal!

Em 2017 a ATR e os seus gémeos siameses dSCi estarão a comemorar 10 anos de ruído terapêutico com muitas surpresas a serem anunciadas em breve e a mesma hiperactividade de sempre! No entretanto continuam disponíveis para escuta as mixtapes que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que passaram por este terapêutico e ruidoso ano!

Posted in Uncategorized

O Outono terapêutico-ruidoso termina esta semana com concertos do músico catalão Ubaldo e do novíssimo duo lisboeta Sabotage na Zaratan na quinta-feira (15 de Dezembro), seguidos de mais uma sessão do ciclo Ñ-Dj com um ñ-dj set a cargo do Ñ-Dj Snare! (+ info em baixo e aqui)

E com o encontro do indomável Catapulta com o inefável Desmarques no sábado (17 de Dezembro) por ocasião do 1º aniversário da Combustão Lenta, residência mensal da editora/colectivo ZigurArtists no Desterro que para esta edição especial contará também com o encontro dos veabis&tubbhead com Jarie dj set do colectivo R U S T! (+ info aqui)

Antes disso o terapeuta Desmarques estará a fazer ruído para o filme “Ménilmontant” de Dimitri Kirsanoff no Bar Irreal AMANHÃ (terça-feira | 13 de Dezembro), dando início à segunda parte do ciclo “Cinema Irreal” com curadoria de Bruno Humberto! (+ info aqui)

Entretanto continua disponível para escuta a mixtape “um outono terapêutico-ruidoso” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que passaram ou ainda vão passar por esta estação do ano!

E também continua disponível para venda através d’A Besta (e a partir de agora na distro ATR no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou num concerto próximo de si) a “Chains Split Tape Vol. 2”, cassete que junta os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS aos Cardíaco, projecto de exploração sonora deste colectivo/editora bestial! Em breve sairá a versão digital da mesma!

15 de Dezembro | quinta-feira | 19h

Ubaldo (es)
Sabotage (pt)

Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual sócio: 3 euros

Ubaldo é Andreu Garcia Serra, músico catalão radicado em Barcelona, cidade onde tem sido um dos mais activos dinamizadores da cena underground: além de ter participado em diversos projectos como The Noise of Mutt, Ensemble Topografic, Odd Labu ou a Orquesta del Caballo Ganador, colabora com músicos e artistas como Mark Cunningham, Esperit!, Darius J Bogdanowicz, Raúl Paez, Mr. Vampire ou o Conde de Torrefiel e é também o fundador da editora Boira Discos.
A solo tem desenvolvido um interessante trabalho que tem como foco principal a guitarra, à qual vai acrescentando e acumulando loops de teclados, cassetes manipuladas e a sua voz trémula até chegar a ambientes melancólicos e introspectivos imersos em drones. Estreia-se em Lisboa em plena Cremaet Tour, digressão ibérica que serve de apresentação ao seu próximo disco “La Pèrdua de l’Estat”, onde revela uma faceta mais luminosa e onde a voz ganha uma nova dimensão e a guitarra rompe cada vez mais com as sonoridades nebulosas que o têm caracterizado.

Sabotage é o novo duo de Rui Pessoa Pires e Alexandre Simões. Resultado de uma experiência do quotidiano e da vivência e empatia dos intervenientes, nasce de um paradoxo, de uma tarde perdida fora de horas no meio de uma cidade enganadora, na impossibilidade de marcar encontros, na confusão de ideias, no prejuízo de uma comunicação falhada. Dessa frustração emocional nasce a ideia de libertação, de uma emancipação estética através da música, misturando sons oníricos e electrónicos, orgânicos e acústicos, de sopros, cordas e teclados, num diálogo improvisado de compreensão recíproca a duas vozes.

Posted in Uncategorized

Esta quinta-feira (8 de Dezembro) no Disgraça os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS juntam-se mais uma vez aos Cardíaco, projecto de exploração sonora do colectivo/editora A Besta para apresentarem a “Chains Split Tape Vol. 2” em Lisboa! (+ info em baixo e aqui)

E o Outono terapêutico-ruidoso termina em grande na próxima semana com concertos do músico catalão Ubaldo e do novíssimo duo lisboeta Sabotage no dia 15 de Dezembro na Zaratan e com o encontro do indomável Catapulta com o inefável Desmarques no dia 17 de Dezembro por ocasião do 1º aniversário da Combustão Lenta, residência mensal da editora/colectivo ZigurArtists no Desterro que para esta edição especial contará também com o encontro dos veabis&tubbhead com Jari e dj set do colectivo R U S T! Antes disso o terapeuta Desmarques estará a fazer ruído para o filme “Ménilmontant” de Dimitri Kirsanoff no Bar Irreal no dia 13 de Dezembro num novo ciclo com curadoria de Bruno Humberto! (+ info em breve)

Entretanto continua disponível para escuta a mixtape “um outono terapêutico-ruidoso” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que passaram ou ainda vão passar por esta estação do ano!

8 de Dezembro | quinta-feira | a partir das 19h30

dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (pt)
Cardíaco (pt)

Disgraça
Rua da Penha de França, 217 – Lisboa
entrada: contribuições livres – mínimo 3 DIYs

Chains Split Tape – Volume 2

Das ligações que se estabelecem com o advir esquizofrénico de nomes, projectos e ideias no seio do colectivo A Besta, nascem as “Chains”. Editadas em k7, são splits de 90 minutos, 45 para cada artista/banda/projecto. Acorrentados a uma mesma fita, cada lado representa um álbum independente, mas pressupõe também a ligação futura desses projectos, em concertos e novas criações. Desta cascata férrea e barulhenta, brotarão novos projectos para se encaixarem em novos volumes.
Após o lançamento do primeiro volume, comportando os trabalhos “Linhas” de Verme e “Exobase” de Subasement, surge a perigosa aglomeração de dois distintos sintomas de uma condição idêntica. Um primeiro lado enfermo, “Bursite”, traz às redes d’A Besta os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS. Um segundo lado, onde nada melhor se espera, traz um “Ataque” do improvisado e inconstante grupo dentro do grupo, Cardíaco.

«É dificíl perceber como é que um grupo que surgiu de maneira acidental e improvisada, baptizado primeiro com um símbolo e depois com um nome impronunciável e cuja a sonoridade continua a ser tão bizarra, tenha sobrevivido até aqui. Após 9 anos de actividade intensa e frenética os infames dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS prosseguem o seu percurso ímpar nas (e para além das) margens do panorama musical português.»

«Parte integrante das bolsas de resistência d’A Besta, Cardíaco leva-nos a uma viagem fisioterapêutica. 2 pesos em cada perna, ventoinhas a esvoaçar o cabelo, pêlos a eriçarem-se e ao mesmo tempo um sentir de pertença pleno. A viagem é individual, o espírito é de comunhão, até logo!»

Posted in Uncategorized