Ao longo deste ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) comemoram 10 anos de ruído terapêutico, assim termina o terceiro capítulo destas celebrações!

Esta quinta-feira (30 de Março) no Disgraça há a estreia do duo guitarra-bateria finlandês NYOS (novo projecto do guitarrista inglês Tom Brooke dos Khuda, banda que a ATR teve o prazer de receber em 2012), acompanhado pelo novíssimo duo bateria-guitarra português Iguana! (+ info em baixo e aqui)

E no final da semana o nosso indomável Catapulta regressa aos palcos para participar na primeira edição do “BYOB – Bring Your Own Beamer” em Lisboa, mostra de videoarte que decorrerá na Zaratan na sexta-feira (31 de Março) a partir das 19h e para celebrar “1 Ano Quebrando Cabeças”, a festa de aniversário da À da Maxada, espaço aútonomo em Setúbal onde haverá muitas outras actividades e concertos durante sábado e domingo (1 e 2 de Abril) a partir das 15h! (+ info aqui e ali)

Entretanto continua disponível para escuta a mixtape “10 anos de ATR & dSCi (capítulo III)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou ainda vão passar por este ruidoso mês! E também continuam disponíveis  através do bandcamp da ATR o álbum “Anarquia à Conta do Papá” do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Gee Bees, primeira de uma série de reedições de discos que contaram com a colaboração da ATR e a “Kaüzpellaplatz III”, terceiro volume da compilação de homenagem a João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014, que inclui temas de alguns dos projectos nos quais João Capela participou (como os dSCi ou os Da Monstra, entre outros) e que além da edição digital está disponível em cassete através da distro ATR (no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou por encomenda).

30 de Março | quinta-feira | a partir das 19h30

NYOS (fi/uk)
Iguana (pt)

Disgraça
Rua da Penha de França, 217 – Lisboa
entrada: contribuições livres – mínimo 3 DIYs
jantar vegano

NYOS é um duo instrumental sediado em Jyväskylä (Finlândia) que se formou em 2014 quando o guitarrista inglês Tom Brooke conheceu o baterista Tuomas Kainulainen, pouco tempo depois de se ter mudado para a Finlândia. Ligados pelo amor mútuo a bandas barulhentas, café e tocar ao vivo, gravaram o primeiro álbum “Vltava” durante o Inverno de 2014 e desde aí não têm parado. Vêm agora a Portugal pela primeira vez para nos apresentarem o seu segundo álbum “Nature” que foi editado no ano passado e que inclui seis temas cheios de camadas de loops, riffs pesados de inspiração doom, mudanças rápidas e ritmos intricados com influências jazz e math-rock, melodias pós-rock e o ocasional drone.

Iguana é uma criatura oriunda de Coimbra que pode ser actualmente avistada em Lisboa. Derivada de rugidos animais distorcidos, explosões sísmicas amazónicas e mantras xamânicos politeístas, o duo do guitarrista Eduardo Martins e do baterista Gonçalo Madama dedica-se a construir paredes sonoras carregadas de fuzz e repletas de ambiências doom e ritmos sludge. Depois de uma promissora estreia em Janeiro deste ano, ainda sob o nome Femur, a criatura sai da toca pela primeira vez como Iguana para nos mostrar as suas incisivas garras.

Associação Terapêutica do Ruído

próximas sessões terapêuticas:

NYOS (fi/uk) + Iguana (pt) @ Disgraça, Lisboa | qui. 30/03

Catapulta (pt) @ BYOB – Zaratan, Lisboa | sex. 31/03

Catapulta (pt) @ 1 Ano Quebrando Cabeças!!! – À da Maxada, Setúbal | sáb. 01/04

Sudoku Killer (it) + Parpar (pt) + Kafunfo noSoundsystem (dj set) @ CIRT #4 – Damas, Lisboa | qui. 06/04

Catapulta (pt) @ Um Ao Molhe – Teatro Sá da Bandeira, Santarém | sex. 14/04

Catapulta (pt) @ Um Ao Molhe – Café Concerto, Pombal | sáb. 15/04

Isasa (es) + Daniel Ardura (es) @ Panóplias, Lisboa | sáb. 22/04

Last King Of Poland (us) + Presidente Drógado (pt) @ Versus IV – Zaratan, Lisboa | sex. 28/04

Posted in Uncategorized

Ao longo deste ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) comemoram 10 anos de ruído terapêutico, assim prossegue o terceiro capítulo destas celebrações!

Este sábado (18 de Março) continua o Versus – Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta terceira sessão terá como antagonistas o projecto Psico-Free & Manicômio com as suas improvisações dadaístas e a produtora BLEID com as suas explorações rítmicas e como artista convidado o João Fonte Santa! (+ info em baixo e aqui)

E para terminar o mês (quinta-feira | 30 de Março) teremos a estreia do duo guitarra-bateria finlandês NYOS (nova banda do guitarrista inglês Tom Brooke dos Khuda que a ATR teve o prazer de receber em 2012) no Disgraça, acompanhado pelo novíssimo duo bateria-guitarra português: Iguana! (+ info em breve)

Entretanto já está disponível para escuta a mixtape “10 anos de ATR & dSCi (capítulo III)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou ainda vão passar por este ruidoso mês! E também já está disponível para download gratuito através do bandcamp da ATR o álbum “Anarquia à Conta do Papá” do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Gee Bees, primeira de uma série de reedições de discos que contaram com a colaboração da ATR!

E continua disponível o terceiro volume da Kaüzpellaplatz, compilação de homenagem a João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014. Depois de um primeiro volume com bandas e músicos portugueses e de um segundo volume com bandas e músicos internacionais, este terceiro volume inclui temas de alguns dos projectos nos quais João Capela participou (como os dSCi ou os Da Monstra, entre outros) e além da edição digital via bandcamp da ATR, está também disponível em cassete através da distro ATR (no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou por encomenda).

18 de Março | sábado | 19h

Psico-Free & Manicômio (pt)
vs.
BLEID (pt)

Versus III
Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual sócio: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan – Arte Contemporânea apresentam Versus, um ciclo de concertos a acontecer mensalmente na Zaratan.
Seguindo um princípio ecléctico de programação, o pressuposto desta nova aventura musical é juntar projectos diferentes entre si, ou até mesmo opostos, numa mesma sessão. Neste aparente antagonismo procuramos pontos de contacto e/ou de divergência que ilustrem de algum modo a complexidade e diversidade das definições estilísticas da música contemporânea.
Em cada sessão haverá o lançamento de um cartaz em risografia realizado propositadamente para a ocasião. A convite da Zaratan, diferentes artistas recebem o desafio de criar uma imagem de alguma forma ligada ao tema do antagonismo, inspirada também nas sonoridades dos projectos convidados pela ATR a participar neste ciclo.

Psico-Free & Manicômio é um novo projecto de formação variável e inspiração dadaísta animado pelo improvisador-nato Monsieur Trinité (aka Francisco Trindade). Para esta sessão na Zaratan aos objectos diversos de Monsieur Trinité, juntar-se-ão o saxofone de José Lencastre, a guitarra barítono de Guilherme Carmelo e o tambor maior de Pedro Santo para uma improvisação à volta do conceito: “Os dadaístas procuraram uma chave inglesa entre as pernas dos passantes. Os surrealistas uma racha de cristal. Está perdido!”.

BLEID é uma produtora de música electrónica sediada em Lisboa, activa desde 2015. Com influências de footwork, hip-hop, noise e drone, serve-se de um computador e de um ser humano para tocar tudo de 20 a 200 bpm, tentando abranger as mais diversas paisagens rítmicas, sem se preocupar muito com géneros ou rótulos. Em 2016 fundou com o seu amigo e colega Lusco a CRATERA, editora/colectivo pela qual tem lançado os seus trabalhos mais recentes e cujo objectivo é explorar novas formas de expressão através da música electrónica, videoarte e design gráfico.

João Fonte Santa (Évora, 1965) vive e trabalha em Lisboa. Estudou Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Começando por se dedicar à produção gráfica underground em fanzines auto-editados, foi orientando progressivamente o seu trabalho para a pintura e o desenho. Expõe regularmente desde meados dos anos 90, tanto individualmente como colectivamente, tendo participado em algumas importantes exposições de arte contemporânea portuguesa fora do país
Posted in Uncategorized

Ao longo deste ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) comemoram 10 anos de ruído terapêutico, eis o terceiro capítulo destas celebrações!

O incendiário duo franco-italiano Putan Club está mais uma vez de regresso a Portugal depois das explosivas passagens em 2013, 2014, 2015 e 2016 e toca em Lisboa esta quarta-feira (8 de Março) no Lounge, seguido de dj set de Mário Valente! (+ info em baixo e aqui)

E esta quinta-feira (9 de Março) há o terceiro acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá um colóquio sobre ruído violinista pelo especialista americano Joey Molinaro, uma palestra sobre ruído rítmico pelo terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Gee Bees e mais uma prelecção sobre ruído gira-disquista pelos Kafunfo noSoundsystem, o indescritível colectivo de djs da ATR! Para a ocasião será também reeditado digitalmente através do bandcamp da ATR o álbum “Anarquia à Conta do Papá” de Gee Bees, dando assim início a uma série de reedições de discos que contaram com a colaboração da ATR! (+ info em baixo e aqui)

Na próxima semana (sábado | 18 de Março) continua o Versus – Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta terceira sessão terá como antagonistas o projecto Psico-Free & Manicômio com as suas improvisações dadaístas e a produtora BLEID com as suas explorações rítmicas! (+ info em breve)

E para terminar o mês (quinta-feira | 30 de Março) teremos a estreia do duo guitarra-bateria finlandês NYOS (nova banda do guitarrista inglês Tom Brooke dos Khuda que a ATR teve o prazer de receber em 2012) no Disgraça, acompanhado pelo novíssimo duo bateria-guitarra português: Iguana! (+ info em breve)

Entretanto já está disponível o terceiro volume da Kaüzpellaplatz, compilação de homenagem a João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014. Depois de um primeiro volume com bandas e músicos portugueses e de um segundo volume com bandas e músicos internacionais, este terceiro volume inclui temas de alguns dos projectos nos quais João Capela participou (como os dSCi ou os Da Monstra, entre outros) e além da edição digital via bandcamp da ATR, está também disponível em cassete através da distro ATR (no Espaço Múltiplo @ Zaratan ou por encomenda).

8 de Março | quarta-feira | 22h30

Putan Club (fr/it)
Mário Valente (dj set)

Lounge
Rua da Moeda, 1 – Lisboa
entrada livre

Putan Club é uma célula de resistência artística, iconoclasta e violenta, groovy e evidentemente sexy, caracterizada por um modo de actuar selvagem: voz, guitarra, baixo, computador, avant-rock, industrial, techno/dubstep e muita electricidade e suor, como numa descarga de alta voltagem.
Actualmente constituída pelo músico francês François R. Cambuzat, mítico anti-herói do underground europeu (que além deste projecto fundou também grupos como os L’Enfance Rouge, os Kim Squad, os Gran Teatro Amaro ou os République du Sauvage) e pela jovem, mas experiente baixista italiana Gianna Greco (aos quais por vezes se junta a não menos mítica Lydia Lunch formando assim o Lydia Lunch’s Putan Club), esta célula de terrorismo sónico continua a não deixar ninguém indiferente à sua passagem. Após mais de um milhar de concertos em todo o mundo o Putan Club vem pela terceira vez ao Lounge, depois das inesquecíveis actuações em 2013 e 2015.
Convenção Internacional do Ruído Terapêutico #3

9 de Março | quinta-feira | 23h

Joey Molinaro (us)
Gee Bees (pt)
Kafunfo noSoundsystem (dj set)

Damas
Rua da Voz do Operário, 60 – Lisboa
entrada livre

No cada vez mais fértil panorama das promotoras e demais agentes de disseminação cultural fundamentadas na crença e na verdade, é absolutamente obrigatório destacar o pioneirismo bravo do trabalho incansável desta Associação Terapêutica do Ruído contra todas as intempéries. Entidade gémea dos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS que tem vindo a a inflamar o tecido cultural deste país com inúmeros concertos e actividades espalhados por todos os locais de interesse neste país, num exemplo de bravura ainda longe de estar devidamente cartografado, mas merecedor do maior respeito e admiração.

No ano em que celebram uma década de actividade, num exemplo quase único de resistência e visão por estes lados, esta cooperativa de meliantes e agitadores fundamentada num princípio comunal de honestidade e coração celebram esse mesmo feito com a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico. Nova residência da ATR nesta casa que sempre os acolheu e que se vai estender ao longo deste ano em 10 aparições alinhadas com o espírito inconformista e a vontade que sempre guiou os seus instintos.

Joey Molinaro
Arrancado o metal ao seu militantismo mais conservador são facilmente identificados as suas premissas, códigos, normas e rupturas cuja aplicação se estende muito para além da barulheira infernal que assustou/a tantas famílias – mesmo quando nem era verdade. Levando a ideia de individualismo do black metal a uma conclusão que dispensa as guitarras em tremolo picking e os blast beats, Joey Molinaro recorre a um violino e a percussão feita com os pés para evocar o género em plena paisagem dos Apalaches ao mesmo tempo que resgata a herança punk que contaminou igualmente o grindcore – teve até a audácia de regravar ‘The Inalienable Dreamless’ dos Discordance Axis -, como que a descobrir os pontos de contacto entre o stomp tradicional de ‘Cripple Creek’, o abandono de ‘A Blaze in the Northern Sky’ e as explosões de ‘Scum’ em feras com tanto de feroz quanto de celebratório.

Gee Bees
Primeira aparição a solo em muito tempo deste baterista com actividade há já largos anos em projectos como Rolls Rockers ou dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS, materializado em 2009 com o “intuito de fazer canções com ruídos de fábricas, bombas e todo o caos do mundo que nos rodeia“. Desse estado caótico irrompe uma música onde a electrónica devedora do industrial de uns SPK ou Monte Cazazza ganha através da bateria um corpo onde a energia do hardcore e do rock mais estrepitoso se fazem sentir através de temas furiosos mas injectados por algum humor sardónico não muito distante daquilo que Brian Chippendale – enquanto Black Pus – ou mesmo Ricardo Martins – enquanto R- – têm feito em tempos mais ou menos recentes.

Kafunfo noSoundsystem
Braço gira-disquista da ATR num contínuo natural com os princípios fundadores da mesma. Ou seja, a mesma procura pelo novo, pelo destemido e pelo único em sets de uma imprevisibilidade e demência tão acolhedora quanto inconformista.

textos: Bruno Silva
artwork: José Smith Vargas

Posted in Uncategorized

faa494b1-9d29-4ab8-b9e6-572e18fe4d8d.gif

Ao longo deste ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) estarão a comemorar 10 anos de ruído terapêutico, assim termina o segundo capítulo!

Este sábado (25 de Fevereiro) há o lançamento do terceiro volume da Kaüzpellaplatz, compilação de homenagem a João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014. Depois de um primeiro volume com bandas e músicos portugueses e de um segundo volume com bandas e músicos internacionais, este terceiro volume incluirá temas de alguns dos projectos nos quais João Capela participou (como os infames dSCi ou os monstruosos Da Monstra, entre outros) e além da edição digital via bandcamp da ATR, será também editado em cassete. Para celebrar a ocasião a Orquestra do Ruído irá juntar-se na Zaratan nesse mesmo dia. (+ info em baixo e aqui)

Entretanto continua disponível para escuta a mixtape “10 anos de ATR & dSCi (capítulo II)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou ainda vão passar por este terapêutico mês, incluindo dois temas da “Kaüzpellaplatz III” e um excerto do concerto da Orquestra do Ruído no Cineclube de Telheiras em Março de 2014!

25 de Fevereiro | sábado | 19h

Orquestra do Ruído (pt)

Lançamento Kaüzpellaplatz III

Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual sócio: 3 euros

“Kaüzpellaplatz III” é o terceiro volume de uma compilação que visa homenagear João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014 e que tocou a alma e o coração de todos os que com ele conviveram (mesmo que apenas em fugazes encontros ocasionais), deixando um vácuo na comunidade musical, artística e activista nacional e internacional.

Depois de um primeiro volume com bandas e músicos portugueses e de um segundo volume com bandas e músicos internacionais, este terceiro volume incluirá temas de alguns dos projectos nos quais João Capela foi participando e tal como os anteriores será lançado em colaboração com a Associação Terapêutica do Ruído (ATR), promotora musical independente à qual João Capela também pertencia, sendo que todos os fundos garantidos serão canalizados para a futura edição de um livro com os seus textos.

A compilação, que conta mais uma vez com o artwork de José Smith Vargas, estará disponível para escuta livre e download pago através do bandcamp da ATR e também numa edição especial em cassete. Para celebrar o lançamento a Orquestra do Ruído irá juntar-se na Zaratan no dia 25 de Fevereiro.

Orquestra do Ruído
Fundada no final de 2011 por ocasião do Benefit Segunda Curva na Da Barbuda, a Orquestra do Ruído é uma formação aberta e improvisada constituída por diversos terapeutas e simpatizantes do ruído que tem vindo a actuar nas mais variadas situações e contextos. Reúne-se mais uma vez em homenagem ao amigo João Capela, depois dos tocantes concertos no Cineclube de Telheiras em Março de 2014 e no micro-festival Nozes Sons da Primavera no Bartô em Junho do mesmo ano.

Posted in Uncategorized

Ao longo deste ano a Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) estarão a comemorar 10 anos de ruído terapêutico, eis o segundo capítulo desta celebração!

Esta quinta-feira (9 de Fevereiro) continua o Versus – Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan – Arte Contemporânea que nesta segunda sessão terá como antagonistas o polaco Strzał w Kolano com o seu experimentalismo electro-acústico e o português O Gajo com as suas deambulações campaniças (e o artwork de Bruno Caracol)! (+ info em baixo e aqui)

Na próxima semana (sexta-feira |17 de Fevereiro) há o segundo acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita contará com uma cimeira bipartida sobre ruído “loopístico” pelo mestre italiano Marco Bernacchia, um dos especialistas que a ATR mais vezes recebeu (como Above the Tree em 2009, 2010 e 2011, como Above the Tree & E-Side em 2012 e como Virtual Forest em 2015) e pelo nosso indomável Catapulta, projecto a solo do terapeuta do ruído Boris Nunes! E ainda com um dj set de Yari, no qual o doutor Jari Marjamäki nos dará uma lição sobre ruído transversal! (+ info em breve e aqui)

Além desta cimeira os dois especialistas (Above the Tree e Catapulta) estarão também nas Oficinas do Convento em Montemor-o-Novo no dia 16 de Fevereiro e no Céu de Vidro nas Caldas da Rainha no dia 18 de Fevereiro (pelas mãos do Grémio Caldense e com os Galgo)! (+ info em breve e aqui e ali)

E até ao fim do mês haverá o lançamento do terceiro volume da Kaüzpellaplatz, compilação de homenagem a João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014. Depois de um primeiro volume com bandas e músicos portugueses e de um segundo volume com bandas e músicos internacionais, este terceiro volume incluirá temas de alguns dos projectos nos quais João Capela participou (como os infames dSCi ou os monstruosos Da Monstra, entre outros) e além da edição digital via bandcamp da ATR, será também editado em cassete. (+ info em breve)

9 de Fevereiro | quinta-feira | 19h

Strzał w Kolano (pl)
vs.
O Gajo (pt)

Versus II
Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual sócio: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan – Arte Contemporânea apresentam Versus, um novo ciclo de concertos a acontecer mensalmente na Zaratan.
Seguindo um princípio ecléctico de programação, o pressuposto desta nova aventura musical é juntar projectos diferentes entre si, ou até mesmo opostos, numa mesma sessão. Neste aparente antagonismo procuramos pontos de contacto e/ou de divergência que ilustrem de algum modo a complexidade e diversidade das definições estilísticas da música contemporânea.
Em cada sessão haverá o lançamento de um cartaz em risografia realizado propositadamente para a ocasião. A convite da Zaratan, diferentes artistas recebem o desafio de criar uma imagem de alguma forma ligada ao tema do antagonismo, inspirada também nas sonoridades dos projectos convidados pela ATR a participar neste ciclo.

Strzał w Kolano (literalmente “baleado no joelho”, o que corresponde à expressão “tiro no pé”) é um projecto do músico e realizador polaco Jakub Majchrzak, membro de bandas como Kurws, Przepych ou Norymberga. Apesar de estar musicalmente activo desde 1999, tocando ao vivo, gravando e editando com inúmeros músicos, esta será a sua primeira actuação a solo e consistirá de uma peça para mini-guitarra acústica e samples preparada especialmente para este ciclo, espécie de trabalho em progresso sobre os paradoxos da repetição, impulsionado pelo ódio que devota à actual dependência da música independente às loop-stations.

O Gajo é um viajante e a viola campaniça o seu meio de transporte. Alter-ego do músico João Corrosão, fundador dos Corrosão Caótica, Carbon H e Gazua, entre tantos outros grupos por onde foi passando, O Gajo convida-nos neste seu projecto a solo a vir desembaraçar o emaranhado de notas desta viagem intemporal que passa pela música popular, o fado, a folk e o rock e que desagua numa sonoridade única e transmissível, ou seja, música pessoal do e para o mundo.

Posted in Uncategorized