Esta semana na Zaratan há concertos da dupla suíço-francesa Erb & Loriot com o artista português Travassos e do trompetista lisboeta Yaw Tembe na quinta-feira (22 de Setembro) e também o 15º episódio do Leitmotiv, ciclo de música escriturada com curadoria de Bernardo Álvares que conta com o apoio da ATR e das Edições Senhora do Monte e que neste episódio terá as participações de Bruno Humberto (texto), Nuno Barroso (imagem) e Maria Radich (som) na sexta-feira (23 de Setembro)! (+ info em baixo e aqui e aqui)

E no sábado (24 de Setembro) a partir das 14h a ATR estará na Cinemateca com a sua distro e com a Zaratan, a sua parceira do Espaço Múltiplo para a décima edição da Feira Morta, evento que junta edições independentes, concertos, filmes, apresentações e tudo o mais, incluindo uma conversa DIY sobre “Espaços de Cultura Independente para o Século XXI” que contará com a presença da ATR! (+ info aqui)

22 de Setembro | quinta-feira | 19h
Erb & Loriot & Travassos (ch/fr/pt)
Yaw Tembe (sz/pt)
Zaratan
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
Christoph Erb (saxofones tenor e soprano) e Frantz Loriot (viola de arco) encontram-se a promover “Sceneries”, o seu primeiro álbum em duo lançado pela editora portuguesa Creative Sources em Abril deste ano. A música que se poderá esperar é uma exploração de som e estrutura, harmonia e dissonância com resultados eruptivos, por vezes brutais. O desconhecido como tonturas momentâneas, num exercício de audição mútua. Igualmente perturbador e tranquilizante. Na Zaratan o duo suíço-francês contará com a participação especial do artista português Travassos.

Nascido na Suazilândia no final dos anos 80, mas radicado em Lisboa, Yaw Tembe é um jovem artista multidisciplinar com um trabalho caracterizado pela fragilidade e efemeridade num processo que tem cruzado as várias áreas onde se articula cujo raio de acção comporta a escultura, a poesia e a música. Neste campo, tem sido o trompete a potenciar um crescente reconhecimento através de um processo contínuo em colaboração com vários improvisadores nacionais onde tem desenvolvido um trabalho baseado na exploração de possibilidades tímbricas do instrumento através de recursos acústicos (tais como a criação de surdinas e outros dispositivos) e também no cruzamento entre o acústico e o electrónico.

Posted in Uncategorized

Esta semana o ruído hiperterapêutico continua na Zaratan na quinta-feira (15 de Setembro) com concertos do japonês GO e do americano Trever Hagen e no domingo (18 de Setembro com a terceira sessão do “S.O.M.A. – Sound Over Multimedia Art”, ciclo dedicado à experimentação audiovisual organizado pela ATR e pela Zaratan que desta feita incluirá actuações da dupla japonesa Yoshio Machida & Maiko Date que estará a apresentar a performance “Sound is Body, Body is Sound” e dos Vacationland, novo projecto audiovisual que junta a artista americana Martha Colburn aos músicos lisboetas Bernardo Devlin eShelley Barradas! (+ info em baixo e aqui e aqui)

E na próxima semana, também na Zaratan, haverá concertos da dupla suíço-francesa Erb & Loriot com o português Travassos e de mais um projecto ainda por anunciar no dia 22 de Setembro e o décimo quinto episódio do Leitmotiv, ciclo de música escriturada com curadoria de Bernardo Álvares que conta com o apoio da ATR e das Edições Senhora do Monte no dia 23 de Setembro! E no dia 24 de Setembro a ATR estará presente com a sua distro e com a sua parceira doEspaço Múltiplo (Zaratan) na décima edição da Feira Morta, que desta vez decorrerá na Cinemateca! (+ info em breve)

 

GO (jp)
Trever Hagen (us)

Zaratan
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros
Rua de São Bento, 432 – Lisboa

GO é um hiperactivo músico japonês que para além de se dedicar à organização de concertos de música experimental no Japão, tem estado envolvido em diversas bandas com as quais tem feito inúmeras digressões por todo o mundo. Actualmente faz parte dos BAIKAPANIK, trio de Osaka que mistura groove electrónico-progressivo com rimas japonesas e dos JIKU55, duo audiovisual de psychic-noise-core sediado em Berlim que junta GO à performer de BDSM Maria Jiku. A solo utiliza a guitarra eléctrica para explorar as arestas cortantesdas ondas sonoras através do uso de harmónicos e batidas.

Trever Hagen é um trompetista americano residente em Lisboa que se dedica à improvisação com no-input feedbacks, laptops, gravações de campo, microfones caseiros e trompetes preparados. Escreve também sobre música, som e audição. A solo editou vários álbuns pela editora polaca AudioTong e prepara-se para lançar em breve o seu próximo álbum “Wonder Town” pelaKolo, novo selo da editora japonesa Music for New Reference.

 18 de Setembro | domingo | 19h

Yoshio Machida & Maiko Date (jp)
Vacationland (us/pt)

SOMA Nº3

Zaratan
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros
Rua de São Bento, 432 – Lisboa

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan apresentam “S.O.M.A. – Sound Over Multimedia Art”, um novo ciclo musical a acontecer mensalmente na Zaratan que celebra a experimentação audiovisual, abraçando uma série de projectos musicais que integram uma componente visual essencial na sua actuação ao vivo, pesquisando assim as sobreposições e as somas entre as frequências das ondas sonoras e os comprimentos das ondas de luz, numa tentativa de tornar audível o visível e/ou visível o audível.

Yoshio Machida & Maiko Date – “Sound is Body, Body is Sound”

Yoshio Machida toca e Maiko Date dança. Antes de cada actuação, distribuem cartas com diferentes excertos de poesia por cada membro da audiência. Segundo os próprios, as diversas sugestões que daí advêm, como no tarot, darão uma perspectiva de observação diferente a cada um. O que acontece depois é uma exploração da interdependência entre música e dança e as infinitas possibilidades que a improvisação confere a estas práticas.
Maiko Date é uma bailarina japonesa de dança contemporânea radicada em Berlim desde 2012. Fundadora da companhia de dança Japonens e vencedora de inúmeras competições. Colabora recorrentemente com artistas de outras áreas como Tetsu Sitoh (música), Romain Kronenberg (música), Oliver Marquardt (música), Kentaro Taki (vídeo) ou Hirofumi Miyauchi (pintura).
Yoshio Machida é um artista visual e sonoro. Enquanto músico tem-se dedicado ao steelpan enquanto veículo de improvisação, incorporando igualmente na sua música elementos de música tradicional indiana, jazz, música experimental e electroacústica. É também fundador da editora AMORFON.

Vacationland

Os Vacationland são uma banda visionária de olhos vendados projectando a verdade escondida por trás da tela. Do ponto de vista da autocracia musical e plural esta banda multinacional promove um anarquismo desinibido em forma de luz, som e dimensão. Os membros incluem Martha Colburn (filmes e samples), Bernardo Devlin (harmónica e sintetizador) e Shelley Barradas(guitarra e bateria)

Posted in Uncategorized

Após uma brevíssima pausa a ATR regressa às (hiper)actividades terapêuticas com a estreia do trio norte-americano de synth-weirdo-punk Gondoliers, que actua no Damas esta sexta-feira (9 de Setembro) seguido de dj set dos sempre indescritíveis Kafunfo noSoundsystem! E no dia anterior (quinta-feira | 8 de Setembro) a banda americana toca também em Braga no Rock Star Pub pelas mãos da Projéctil e bem acompanhada pelos portugueses The Nancy Spungen X! (+ info em baixo e aqui e ali)

E no sábado (10 de Setembro) os dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS, o projecto paralelo de improvisação electroacústica dos infamesdUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS, regressam aos palcos para a sétima sessão da Combustão Lenta, a residência mensal da ZigurArtists no Desterro e levam dois convidados espaciais: Dj Maboku e Dj LiloCox, que também fará um dj set depois do concerto! (+ info em baixo e aqui)

Na próxima semana o ruído hiperterapêutico continuará na Zaratan com concertos do japonês GO e do americano Trever Hagen no dia 15 de Setembro (quinta-feira) e com a terceira sessão do “S.O.M.A. – Sound Over Multimedia Art”, ciclo dedicado à experimentação audiovisual organizado pela ATR e pelaZaratan que desta feita incluirá actuações da dupla japonesa Yoshio Machida & Maiko Date que estará a apresentar a performance “Sound is Body, Body is Sound” e de um novo projecto musical da artista visual americana Martha Colburn que conta a participação de dois músicos lisboetas no dia 18 de Setembro (domingo)! (+ info em breve)

Até ao fim do mês, também na Zaratan, haverá ainda concertos da dupla franco-suíça Christoph Erb & Frantz Loriot com um convidado português e de mais um projecto por anunciar no dia 22 e o décimo quinto episódio do Leitmotiv, ciclo de música escriturada com curadoria de Bernardo Álvares que conta com o apoio da ATR e das Edições Senhora do Monte no dia 23! E no dia 24 a ATR estará presente com a sua distro e com a sua parceira do Espaço Múltiplo (Zaratan) na décima edição da Feira Morta, que desta vez decorrerá naCinemateca! (+ info em breve)

8 de Setembro | quinta-feira | 22h
Gondoliers (us)
The Nancy Spungen X (pt)

Rock Star Pub
Rua Nova de Santa Cruz, 23A – Braga

9 de Setembro | sexta-feira | 23h
Gondoliers (us)
Kafunfo noSoundsystem (dj set)

Damas
entrada livre
Rua da Voz do Operário, 60 – Lisboa

Os Gondoliers são um trio de Boston (E.U.A.) difícil de categorizar, tal é arapidez e o à vontade com que mudam de direcção. Sob comando do demente vocalista e performer John Manson, sintetizadores gélidos e venenosos acabados de sair de uma distópica discoteca dos anos 80 cruzam-se com guitarras espinhosas e angulares retiradas do lixo do pós-hardcore, tudo suportado por uma bateria desequilibrada e instável e envolto na atmosfera doentia e febril de um filme de terror.
Após várias mudanças de formação, diversas edições e inúmeras digressões, onde partilharam o palco com bandas como Lightning Bolt, Neptune ou Guerilla Toss, os Gondoliers estreiam-se em Portugal para semear o pânico, depois não digam que não vos avisámos.

Os Kafunfo noSoundsystem são mais uma faceta da multifacetada Associação Terapêutica do Ruído. Munidos de gira-discos, alguma falta de bom senso e mau gosto q.b. atiram-se às agulhas em busca das velhas pérolas e diamantes perdidos da história da música gravada, tentando pelo caminho surpreender e aterrorizar os ouvintes mais incautos. Resumindo: música de dança até para quem não gosta de dançar, incluindo tímidos, coxos e zombies.

10 de Setembro | sábado | 22h

dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS & Dj LiloCox & Dj Maboku (pt)
Dj LiloCox (dj set)

Combustão Lenta #7
Desterro
entrada: 3 euros – entrada exclusiva a sócios – quota anual de sócio: 3 euros
Calçada do Desterro, 7 – Lisboa

Formados em Dezembro de 2012 por ocasião da primeira edição do Familiar Fest Lisboa, um mini-festival de circuit bending e electrónica DIY organizado pela ATR e pelo colectivo espanhol Familiar em colaboração com as entretanto extintas Flausina e Livraria Sá da Costa, os dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOSsão constituídos por membros dos infamesdUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi), que desta forma se apresentam em formato electroacústico, totalmente improvisado e sem remorsos.
Em 2013 editaram o seu segundo concerto “Live at Auditório Carlos Paredes”através da Enough Records, netlabel para a qual já tinham contribuído com um tema na compilação “100 Years of Noise” e desde aí têm actuado com diversas formações e convidados nos mais variados eventos como o Pequeño Festival de Fuego (Alicante), o Microvolumes da Sonoscopia (Porto), o Stressando da Stress.Fm (Caldas da Rainha), o Derrube da Prisma (Coimbra), a segunda edição do Familiar Fest (Lisboa) ou mais recentemente na (+) Uma noite d’A Besta (São Domingos de Rana), actuação da qual foram incluídos dois excertos na “Uma colectânea d’A Besta“ e na residência mensal da ATR no RDA69(Lisboa), cuja gravação deu origem ao “Live at RDA69”, dedicado ao terapeuta do ruído (e membro dos dSCi e Da Monstra) João Capela e mais uma vez editado pela Enough Records. Este ano tocaram na Zaratan (Lisboa) em Fevereiro e preparam-se agora para uma combustão lenta com dois convidados espaciais.
Posted in Uncategorized

Associação Terapêutica do Ruído apresenta:

um verão ruidoso (parte VII)

O verão ruidoso prossegue esta semana com a segunda edição do Festival Múltiplo, mini-festival multidisciplinar organizado pela ATR e pela Zaratan em colaboração com A Besta, Edições Senhora do Monte, Stolen Prints e ZigurArtists que decorrerá na Zaratan nos dias 11, 12, 13 e 14 de Agosto e que entre muitas outras actividades incluirá actuações de André Sier, Berlau, Bleandante, Daily Misconceptions, Gestalt, Glauco Salvo, Keränen, makearevolutionsound, Mário Trovador, Projéctil, Rita Braga, Sukitoa O namau, Turkey Noise Coup, veabis&tubbhead, Verme e Yoni Kreztmer! (+ info em baixo e aqui)

E já está disponível para escuta a mixtape “um verão ruidoso (parte II)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou ainda vão passar por este ruidoso verão, incluindo muitos dos intervenientes do Festival Múltiplo!

FESTIVALMULTIPLO cartaz geral

Festival Múltiplo @ Zaratan

(Rua de São Bento, 432 – Lisboa | entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros)

A Zaratan – Arte Contemporânea e a Associação Terapêutica do Ruído apresentam a segunda edição do Festival Múltiplo, um evento feito por identidades plurais e referências cruzadas que surge para promover a disseminação de produções culturais independentes.

O festival é “múltiplo” no sentido de variado e diferente, mas também por ser uma unidade que contém várias outras: o evento é produzido em sinergia com uma série de parceiros e procura envolver de uma forma sustentável e interdisciplinar uma selecção de sujeitos, entidades e artistas dos mais interessantes e vanguardistas no panorama da arte contemporânea, da cultura, da edição e da música.

Nesta segunda edição a programação estende-se durante 4 dias e inclui a participação de artistas e músicos nacionais e internacionais, exposições, performances, residências, tertúlias e uma forte componente de produção criativa independente, com lançamentos de múltiplos, publicações e edições gráficas.

11 de Agosto | quinta-feira | das 16h às 24h: Berlau (pt) + Daniela Rodrigues (artwork cartazes + lançamento de risografias) + DJ Pátio (dj set) + Gestalt (pt) + makearevolutionsound (pt) + Miguel Palma (lançamento de múltiplo) + Verme (pt) @ Festival Múltiplo

Berlau (pt)

Com três álbuns editados nos últimos dois anos, Berlau move-se entre o drone, os field-recordings e a música contínua para construir uma linguagem única e muito própria. Ouça-se “Repetence”, peça criada para guitarra eléctrica e Google Translate a partir do artigo “Projecto Continuado. Apontamentos sobre Repetição e Diferença” de Salomé Lopes Coelho ou “Berlau II”, concebido a partir de um conjunto de gravações de campo feitas em Lisboa. Mais recentemente editou “It’s Easier to Bleed than Sweat”, disco com a dose certa de espiritualidade e que servirá certamente como ponto de partida para a viagem na Zaratan.

Daniela Rodrigues (artwork cartazes + lançamento de risografias)

Além de ser a designer do arttwork dos cartazes do Festival Múltiplo, a Daniela Rodrigues é também uma das três artistas convidadas para o projecto de risografias em edição limitada que acompanha a programação musical do festival. Isto é: movidos pelo desejo de intensificar as relações entre a música e as artes visuais, vamos produzir uma série de 16 cartazes de autor (400 múltiplos ao todo) inspirados no som das bandas/músicos que participam no festival. As risos são impressas em parceria com a Stolen Prints.

DJ Pátio (dj set)

O DJ Pátio volta a Zaratan com as suas sonoridades e ambiências tropicais.

Gestalt (pt)

Gestalt constitui-se como grupo de improvisação livre formado por António Duarte (electrónica), Manuel Guimarães (guitarra e piano), Paulo Galão (clarinete), mas intencionalmente aberto à colaboração com demais improvisadores. Realizou os seus primeiros concertos ao vivo na livraria da Cinemateca e Galeria 111. Apresenta os seus dois álbuns de estreia (“Gestalt double début release”): “Cod Waters” e “Once Upon a Western Dawn”, com lançamento agendado para 11 de Agosto de 2016 via iTunes, Google Play, Amazon, Spotify, etc…

A improvisação transidiomática de Gestalt materializa-se a partir de estruturas não pré-definidas em que a ambiência sonora é uma consequência da comunicação que se estabelece entre os músicos. Pode ser considerada como composição em tempo real a partir dessa comunicação.

makearevolutionsound (pt)

makearevolutionsound é uma ficção sonora No-Fi debitada por megafones e máquinas Super8. Resulta de um projecto de investigação mais abrangente e igualmente niilista denominado makearevolution, criado por António Caramelo no início do séc. XX, um pouco antes da chegada do Homem a Marte.

www.youtube.com/watch?v=0AqECM9XNgo

Miguel Palma (lançamento de múltiplo)

A produção de múltiplos de artistas, de pequenas publicações e edições tem sido uma parte importante da prática curatorial da Zaratan – Arte Contemporânea, com o objectivo de solidificar, materializar, dilatar e multiplicar as experiências compartilhadas com os artistas. Durante o Festival Múltiplo apresentamos uma nova obra em edição limitada de Miguel Palma, que expôs na Zaratan em 2015 (“Cepo”).

Verme (pt)

Apesar de remeter, de forma geral, para um grupo de animais compridos e moles, Verme é um corpo que se apresenta revestido de uma carapaça. Verme é a fusão de tempos, de sinais digitais, de samples derivados de sinais analógicos, de batidas furiosas. Aquilo que mina e corrói. Downtempo, idm, trip-hop, noise, drone, loop. Verme é um nome, um predicativo do sujeito, ou uma máscara. João Sousa (a-nimal, deslize, o poema (a)corda) explora software open source, diferentes técnicas da música digital e manipulação de loops em tempo real com diferentes instrumentos comuns.

“Jorna” é a segunda colecção de temas lançada por João Sousa no seio d’A Besta.  Depois de “Linhas”, surge uma visão de jornada sobre o quotidiano, uma reflexão sonora sobre a dependência dessa jornada, sobre a rotina, o cansaço e a total libertação: a viagem. Com gravações de campo que acompanham as caminhadas suburbanas do dia-a-dia, linhas de baixo graves que as recalcam, batidas fulminantes que trazem algum de glitch e trip-hop para a conversa; resultam 7 dias da “Jorna”, relembrando o suor, a memória, o futuro.

12 de Agosto | sexta-feira | das 16h às 24h: André Trindade (dj set) + Bleandante (pt) + Dilar Pereira (lançamento de risografias) + Glauco Salvo (it) + Henrique Neves (lançamento de múltiplo) + Leitmotiv #14 (concerto + lançamento de publicação) + Mário Trovador (pt) + Turkey Noise Coup (pt) + veabis&tubbhead (pt) @ Festival Múltiplo

André Trindade (dj set)

Durante o Festival Múltiplo, o ciclo Ñ-DJ*s, que existe desde a primeira pré-inauguração da Zaratan (finais de 2014) e que conta com mais de 79 actuações individuais, é pela primeira vez divulgado. Este ciclo surge como uma prática de exploração musical compartilhada: a Zaratan convida artistas cujo trabalho seja de alguma forma relacionado com música e que não tenham pretensões ou actuações anteriores como djs, para seleccionarem o som que acompanha as noites de eventos, utilizando para tal qualquer artifício mecânico/digital (k7s, leitores de mp3, smartphones, pdas, rádios, etc) que não os utilizados pelos “djs de carreira”. André Trindade irá explorar a fruição musical através de decks de k7s e afins.

Bleandante (pt)

Na génese da palavra há o ruído que antecede uma comunicação viciada e desconfortável que a cada pulsar de incompreensão vai afastando corpos há muito na espera da distância. Bleandante pretende regressar a esse lugar pré-verbal onde as raízes do engano são cortantes o suficiente para perfurarem a carne. A voz é instrumento de opressão esparsamente atravessado pelo primitivismo rítmico apenas símbolo da persistência dum tempo entalado entre o objecto e a imagem da memória.

Tem servido de arma de nivelamento territorial em noites da besta, feiras mortas, semanas da besta na zaratan, entre outros desastres nucleares.

Dilar Pereira (lançamento de risografias)

Dilar Pereira é uma das três artistas convidadas para o projecto de risografias em edição limitada que acompanha a programação musical do festival. Isto é: movidos pelo desejo de intensificar as relações entre a música e as artes visuais, vamos produzir uma série de 16 cartazes de autor inspirados no som das bandas/músicos que participam no festival. As risos são impressas em parceria com a Stolen Prints.

Glauco Salvo (it)

Depois da passagem pelo ciclo Pré-Go em 2014 com o seu projecto of rivers and trains, o músico italiano Glauco Salvo regressa à Zaratan para apresentar o seu novo álbum “5 haiku” que será editado em Setembro pela editora Kohlhaas.

Neste trabalho, Glauco, servindo-se mais uma vez de banjo, zither, ebows, transdutores e outros dispositivos, adopta estruturas formais e métricas da poesia haiku para criar temas instrumentais que dialogam com paisagens sonoras, procurando estabelecer uma relação em mutação contínua entre escuta musical e percepção de ambientes sonoros.

https://vimeo.com/110354602

Henrique Neves (lançamento de múltiplo)

Durante o Festival Múltiplo apresentamos uma nova obra em edição limitada de Henrique Neves, que colaborou com a Zaratan em 2015 com a exposição individual “Querida mudei a casa”. Com o título de “Casas Modernas”, os múltiplos são “desenhos” sobre páginas de monografias de arquitectos modernos feitos com linhas e materiais têxteis. O acto de intervenção sobre imagens documentais, plantas arquitectónicas e discurso textual, todos concebidos para transmitir a “seriedade” da arquitectura é um acto iconoclasta e brincalhão, acrescentando cor, textura e padrão, vistos como expressões femininas de liberdade criativa, às páginas. O gesto tem uma carga irónica e crítica, reflectindo o seu interesse por arquitectura modernista e o seu desencanto com a sua frieza e canonização.

Leitmotiv #14 (concerto + lançamento de publicação)

Cada mês apresentamos um episódio de Leitmotiv, um ciclo de concertos mensais com curadoria de Bernardo Álvares, centrado em escrituras musicais. As escrituras serão primeiro conceptualizadas por um compositor, posteriormente traduzidas para o papel por um artista plástico e finalmente interpretadas por músicos ao vivo na Zaratan. Neste décimo quarto episódio Francisco Silva interpreta um texto de António M. Silva & Marta Santos Silva e ilustrado por Emocionais (Sreya & Sofra). As Edições Senhora do Monte conceberam o novo design gráfico da publicação “Leitmotiv”.

Mário Trovador (pt)

«Mário, o “Trovador”, é um cançonetista prolífero, disfuncional, inventivo, controverso, ultraromântico, irregular, destruidor de todas as normas e convenções, criador de belas melodias e textos simples e acutilantes na sua poética. Pós-doutorado em músico de rua, animou centenas de festas, convívios, noites de bares, grandes palcos, etc, etc…
Deu-se a conhecer no 1º de Maio de 2000, numa grande festa no Parque Eduardo VII (com bancas de informação, comidas, jogos, concertos, etc.) então organizada a partir da B.O.E.S.G. por uma plataforma bastante alargada que se propunha a comemorar o dia do trabalhador de uma perspectiva política anarquista.» by José Smith Vargas

https://www.youtube.com/watch?v=DF6yo4yp4KU

Turkey Noise Coup (pt)

Três guitarras daninhas conheceram-se no MIA – Encontro de Música Improvisada de Atouguia da Baleia. Desbravaram jardins, improvisaram palácios. Agora tudo pode acontecer: os ditadores do gosto e dos tanques que se preparem.

Bruno Gonçalves é músico autodidacta e profundo explorador instrumental da guitarra. Improvisa regularmente com dizedores, artistas plásticos e “performers”. Engendra agendas obscuras desde 2013.

Cortez Lamont é um guitarrista interessado na microtonalidade, criador e reciclador de sons e materiais, manipulador exótico de esculturas sonoras e mentor do projecto Fragment Core.

Nuno Ribeiro apresenta-nos sonoridades plásticas e imaginárias, que nos levam a viajar no seu complexo mundo sonhador e introspectivo, passando por paisagens idílicas até às mais obscuras e tenebrosas sonoridades, como se pode comprovar no seu projecto Vendaval Art Project.

veabis&tubbhead (pt)

Regresso muito especial à Zaratan do colectivo de noise decadente oriundo de Lamego. Após uma primeira edição pela A Giant Fern/ZigurArtists, a banda prepara-se para editar “incomplete”, que terá o selo da jovem editora norte-americana Deepwoods. No Festival Múltiplo, voltam a auscultar e perscrutar o universo em redor em busca de fragmentos soltos para criar uma maralha de som aconchegante.

13 de Agosto | sábado | das 16h às 24h: André Sier (concerto + lançamento de múltiplo) + Daily Misconceptions (pt) + Keränen (fi) + krodelabestiole (dj set) + Projéctil (pt) + Rita Braga (pt) + Sara Ceriz (lançamento de risografias) + Sukitoa O namau (ma) + Yoni Kretzmer (il/us) @ Festival Múltiplo

André Sier (concerto + lançamento de múltiplo)

A proposta de uma obra em edição limitada de André Sier consiste na produção de uma série de esculturas com impressora 3D a partir do áudio de duas performance sonoras, “410” e “Spielelementen” a acontecerem ao vivo na Zaratan durante o Festival Múltiplo.
410” é uma performance áudio-visual tangente à “Biblioteca de Babel” de Jorge Luis Borges. Na performance seguimos o som do texto original de Borges caminhar para um tom único e fragmentos visuais abstractos espalhados no espaço tridimensional, navegáveis através da interacção sonora e à base de câmara, procurando o livro dos livros, construindo um meta-espaço virtual, caminhando na biblioteca.

Spielelementen” é um set audiovisual a solo em que toca música e visuais em interacção com uma selecção de jogos criados por si nos últimos 10 anos, neste género de síntese musical que chamou de Game Elements (Spielelementen), onde interacção humana e mecânicas de jogo cooperam em artes electrónicas audiovisuais ao vivo, ambiente, ruído, gliss, glitch, 8bit.

Daily Misconceptions (pt)

O universo de Daily Misconceptions (João Santos e Sara Esteves) é, como o universo em que vivemos, um organismo em constante expansão. Imaginado e criado num quarto de Lisboa há quase uma década, foi lentamente deixando o conforto caseiro para crescer, questionar, conhecer e acima de tudo criar com um entusiasmo difícil de encontrar. Em “Our Little Sequence of Dreams”, Daily Misconceptions apresenta-nos sete canções perfeitamente balançadas entre a electrónica e a pop, deliciosamente cândidas e sonhadoras e que pedem para ser vividas sem qualquer urgência.

https://www.youtube.com/watch?v=Zvh0QTYGM7E

Keränen (fi)

Tommi Keränen é um músico noise finlandês a produzir música activamente desde o final dos anos 90. Para além do trabalho a solo, pode ser visto em bandas como Testicle Hazard, Large Unit, Köttskogen, Gentle Evil ou Truckfuckers. Usa sobretudo electrónica primitiva e diferentes formas de síntese digital, resultando, segundo o próprio, em lajes ásperas de ruído rodopiante. Entre mais de duas dezenas de registos discográficos, é possível destacar “Bats in the Attic”, escolhido pela revista The Wire em 2010 como Rewind Pick. Keränen tem vindo a colaborar com diversos artistas, incluindo Florian Hecker, The Incapacitants, Lasse Marhaug ou Phill Niblock.

https://www.youtube.com/watch?v=U_R2P38oYPQ

krodelabestiole (dj set)

Durante o Festival Múltiplo, o ciclo Ñ-DJ*s, que existe desde a primeira pré-inauguração da Zaratan (finais de 2014) e que conta com mais de 79 actuações individuais, é pela primeira vez divulgado. Este ciclo surge como uma prática de exploração musical compartilhada: a Zaratan convida artistas cujo trabalho seja de alguma forma relacionado com música e que não tenham pretensões ou actuações anteriores como djs, para seleccionarem o som que acompanha as noites de eventos, utilizando para tal qualquer artifício mecânico/digital (k7s, leitores de mp3, smartphones, pdas, rádios, etc) que não os utilizados pelos “djs de carreira”. No sábado o não dj de serviço será o artista noise krodelabestiole.

Projéctil (pt)

Projéctil é o corpo embrulhado num lençol deixado na fábrica abandonada, a apodrecer, para nunca mais ser encontrado.

É a nuvem de fumo e o forte odor a queimado, vindo do quarto.

É o tombar inaudível do encontro do indivíduo com a sua natureza. Numa experiência sonora com raízes industriais, André Calvário (baixo/electrónica) junta-se a Tiago Eira (sintetizador/electrónica), de forma a explorar paisagens sonoras electrizantes e ritmicamente desconcertantes.

Rita Braga (pt)

Recém-chegada do festival checo de ukuleles, com um disco em fase work-in-progress de composições eletrónicas com sintetizadores analógicos e quase de partida para uma residência de dois meses em Graz (Áustria) com a proposta de compor uma operetta pop minimal em ukulele, sem faltar idas à praia e festivais no mês mais quente do ano, Rita Braga apresenta no Festival Múltiplo um mini-set experimental que mistura todas estas influências, incluindo temas inéditos do futuro álbum a sair no próximo ano.

https://www.youtube.com/watch?v=9W7eC30TDQY

Sara Ceriz (lançamento de risografias)

Sara Ceriz é uma das três artistas convidadas para o projecto de risografias em edição limitada que acompanha a programação musical do festival. Isto é: movidos pelo desejo de intensificar as relações entre a música e as artes visuais, vamos produzir uma série de 16 cartazes de autor inspirados no som das bandas/músicos que participam no festival. As risos são impressas em parceria com a Stolen Prints.

Sukitoa O namau (ma)

Sukitoa O namau é um projecto de Tinmas Akouaou, artista marroquina que tem traçado um percurso académico como bailarina, coreógrafa e investigadora, centrando-se sobretudo numa área que a própria denomina de “limites coreográficos”. Aliando teoria à prática, explora este conceito de forma a alargar a ideia de dança para uma extensão de movimentos que se alongam, desde gestos minimalistas e tensões físicas a performances onde o corpo desvanece do palco para reincarnar-se enquanto algo incorporal. O seu trabalho é baseado na premissa de uma possível dança para além do corpo dançante. Tem igualmente começado a utilizar som para explorar estas fronteiras.

A performance sonora que vem apresentar ao Festival Múltiplo é um caminho através dos estados físicos, para atingir uma condição diferente, mesmo quando o corpo se pode silenciar – um lugar onde se pode descobrir lentamente uma ideia específica de trance, entre texturas, ruídos, ritmos e sons imprevisíveis, que tornam cada estimulação sónica numa viagem contínua e aventurosa.

https://vimeo.com/177310193

Yoni Kretzmer (il/us)

Yoni Kretzmer é um saxofonista tenor de Tel Aviv radicado em Brooklyn. A sua música descende do free jazz americano dos anos 60, sem desculpas ou manobras de distracção, continuando a demonstrar a sua evolução, relevância e vitalidade.

No Festival Múltiplo far-se-á acompanhar pelo baterista Marco Franco.

https://www.youtube.com/watch?v=OGtNTRpQAT0

14 de Agosto | domingo | das 16h às 22h: Buraco Negro #1 (tertúlia) + Do Liminar #3 (performances + lançamento de publicação) + Itziar Aldosoro (artist talk) + Michela Balloi (dj set) + Miguel Angel Valdivia (artist talk) + Sessões na Carvoaria #1 (lançamento de cassete & pasta de risografias) @ Festival Múltiplo

Buraco Negro #1 (tertúlia)

Durante o Festival Múltiplo apresentamos o primeiro episódio de Buraco Negro, um ciclo de tertúlias organizado por Gonçalo Alegria, a acontecer uma vez por mês na Zaratan.
Esta tertúlia lida com o erro, a sua aceitação mas também a sua provocação. O Erro, como evento na vida serve o propósito simples de não nos deixar cair na ideia de que as coisas podem mesmo funcionar com deveriam. A apropriação dos objectos noutras funções. A desobediência. A perturbação.


Do Liminar #3 (performances + lançamento de publicação)

O ciclo “Do Liminar” é uma plataforma para objectos experimentais no campo da performance como linguagem e prática alargadas. Acontece, uma vez por mês, na Zaratan – Arte Contemporânea, em Lisboa. O não-acontecimento, o erro que possibilita e o confronto nunca estanque das ideias ganham corpo em trabalhos de carácter transdisciplinar, com formatos de apresentação raramente assimilados nos modelos e lógicas de programação do espectáculo. Como parte do ciclo do liminar e paralelo ao programa de performances, são convidados um escritor e um fotógrafo, em cada edição, para criarem um lastro, tradução, crítica livre que ganha a forma de publicação editada em papel.

Itziar Aldosoro + Miguel Angel Valdivia (artist talk)

Itziar Aldasoro e Miguel Angel Valdivia, artistas em residência na Zaratan AIR durante o mês de Agosto de 2016, apresentam as suas pesquisas e as suas propostas numa conversa informal. O programa de residências Zaratan AIR tem como principal objectivo possibilitar tempo e espaço de criação para a pesquisa e o desenvolvimento de projectos artísticos.

Michela Balloi (dj set)

Durante o Festival Múltiplo, o ciclo Ñ-DJ*s, que existe desde a primeira pré-inauguração da Zaratan (finais de 2014) e que conta com mais de 79 actuações individuais, é pela primeira vez divulgado. Este ciclo surge como uma prática de exploração musical compartilhada: a Zaratan convida artistas cujo trabalho seja de alguma forma relacionado com música e que não tenham pretensões ou actuações anteriores como djs, para seleccionarem o som que acompanha as noites de eventos, utilizando para tal qualquer artifício mecânico/digital (k7s, leitores de mp3, smartphones, pdas, rádios, etc) que não os utilizados pelos “djs de carreira”. A não dj de domingo é a artista Michela Balloi.

Sessões na Carvoaria #1 (lançamento de cassete & pasta de risografias)

Durante o Festival Múltiplo lançamos também a primeira cassete ligada ao ciclo musical “Sessões na Carvoaria”. Além de uma cassete de 60 minutos com a gravações ao vivo dos concertos, reunimos as 7 risografias inspiradas nas músicas dos diversos projectos numa pasta produzida com a colaboração gráfica das Edições Senhora do Monte.

Posted in Uncategorized

O verão ruidoso continua esta semana com a segunda sessão do “S.O.M.A. – Sound Over Multimedia Art”, ciclo dedicado à experimentação audiovisual organizado pela ATR e pela Zaratan que irá decorrer no sábado (16 de Julho) com actuações do alemão BifiBoy e dos novíssimos Afta! (+ info em baixo eaqui)
16 de Julho | sábado | 19h

BifiBoy (de)
Afta (pt)

SOMA Nº2
Zaratan
Rua de São Bento, 432 – Lisboa
entrada livre para sócios – quota anual: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan apresentam “S.O.M.A. – Sound Over Multimedia Art”, um novo ciclo musical a acontecer mensalmente na Zaratan que celebra a experimentação audiovisual, abraçando uma série de projectos musicais que integram uma componente visual essencial na sua actuação ao vivo, pesquisando assim as sobreposições e as somas entre as frequências das ondas sonoras e os comprimentos das ondas de luz, numa tentativa de tornar audível o visível e/ou vísivel o audível.

BifiBoy é o projecto a solo do músico alemão Max Firchau, a residir em Lisboa há vários meses. Como BifiBoy fez o primeiro upload de um tema seu em 2013 e criou um género que entretanto decidiu apelidar de “Dada-Hop”, feito de beats sumarentos aos quais vai acrescentando várias camadas sonoras e a sua voz carregada de efeitos. Enquanto prepara diversos lançamentos para o final deste ano e antes de iniciar a sua viagem de regresso a Berlim, Max aceitou o desafio de desenvolver uma componente visual que se sobreponha à sua música e a complete. Para este concerto preparou uma instalação vídeo composta por vários dispositivos de captura e projecção que se reflectem uns nos outros em tempo real.

Afta é um projecto de André Santos, baixista de raíz, inspirado essencialmente nas correntes de Fusão dos anos 70 e 80, Jazz, Electrónica, Hip-Hop e algumas referências a temas românticos portugueses esquecidos no tempo porém presentes nas memórias de todos. Estas experiências culminam numa explosão rítmica, irregular e ácida, com o groove que a define e de onde avança o seu criador. Aos comandos dos visuais: Olhos A Zumbir.

E no dia anterior (sexta-feira | 15 de Julho), também na Zaratan, há o 13º episódio do Leitmotiv, ciclo de música escriturada com curadoria de Bernardo Álvares que conta com o apoio da ATR e das Edições Senhora do Monte e que neste episódio terá as participações de Boris Nunes (texto), Begoña Claveria (imagem) e Carlos Godinho (som)! (+ info aqui)
Até ao fim do mês haverá ainda a festa de lançamento da cassete dos ABBA [aka Barrio)Álvares], duo luso-suíço constituído pelos contrabaixistas Aude Barrio e Bernardo Álvares, no dia 28 de Julho no Damas! A festa, que tem o apoio da ATR e da ZigurArtists, marca também a estreia da Pipoca Tapes, uma nova editora lisboeta dedicada à edição de cassetes e para além do concerto deste hipnotizante duo, incluirá um dj set dos Pipoca djs! (+ info aqui)
O verão ruidoso prosseguirá depois com a segunda edição do Festival Múltiplo, mini-festival multidisciplinar que acontecerá na Zaratan nos dias 11, 12, 13 e 14 de Agosto! (+ info em breve)
Posted in Uncategorized